UGT quer salário mínimo de 565 euros em 2017 e aumentos médios entre 3% e 4%

  • Lusa
  • 29 Setembro 2016

Central sindical aprovou proposta reivindicativa para 2017, que vai servir de referência aos sindicatos da UGT.

A UGT aprovou esta quinta-feira a proposta reivindicativa para 2017, que prevê um aumento médio das remunerações salariais entre 3% e 4% e uma subida do salário mínimo nacional (SMN) para os 565 euros.

O documento, que define as prioridades da política reivindicativa da estrutura sindical para o próximo ano, foi aprovado pelo Secretariado Nacional e recuperou as principais exigências apresentadas há um ano.

A valorização dos salários, a atualização das pensões, o combate ao desemprego e a dinamização da contratação coletiva são os pontos fortes da proposta reivindicativa que vai servir de referência aos sindicatos da UGT, e que hoje vai ser apresentada em conferência de imprensa.

UGT propõe novo acordo de concertação social

No dia em que o Governo e os parceiros sociais se reúnem para discutir a atualização do salário mínimo nacional (SMN) para o próximo ano, Carlos Silva vai aos parceiros sociais um novo acordo de Concertação Social que promova a paz social e a “estabilidade governativa”, e que ajude o Governo a defender-se das críticas da ‘troika’.

 

“Um acordo de Concertação Social pacifica os mercados e diz ao FMI e ao Banco Central Europeu (BCE) que aqui não houve imposições do Governo nem é uma decisão político-partidária. Não. É um acordo entre parceiros sociais'”, advogou Carlos Silva.

E acrescentou: “Dir-me-ão: sim ou não. Não temos nada em cima da mesa. É uma proposta e as propostas são para ser discutidas”.

Para o líder da UGT “um novo acordo de Concertação Social é fundamental e serve para promover a estabilidade governativa e a paz social” e deverá incluir, para além da atualização do SMN, matérias como a dinamização da negociação coletiva e da promoção do emprego.

(Notícia atualizada às 17:53)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UGT quer salário mínimo de 565 euros em 2017 e aumentos médios entre 3% e 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião