Bolsa nacional em alta com ganhos da Jerónimo Martins

A praça lisboeta arranca a semana no verde, com as pares europeias a oscilarem entre ganhos e perdas ligeiras, depois de na sexta-feira passada terem surgido notícias positivas sobre o Deutsche Bank.

A praça lisboeta inicia a semana em terreno ligeiramente positivo. O índice PSI 20 sobe 0,16%, para os 4.604,94 pontos, com oito títulos em terreno positivo, seis em queda e três inalterados.

Já as pares europeias oscilam entre ganhos e perdas ligeiras, num dia em que o Deutsche Bank volta a estar no centro das atenções depois das notícias de sexta-feira a aponta para um corte para menos de metade dos 12,5 mil milhões de euros (14 mil milhões de dólares) do valor da multa de que o banco alemão é alvo nos EUA. Hoje também está a ser noticiado que o Deutsche Bank vai fechar um acordo para a eliminação de mil postos de trabalho. De salientar que a bolsa de Frankfurt estará hoje fechada, onde são transacionadas as ações do deutsche Bank.

A bolsa nacional está a ser suportada pelo avanço de 0,84%, para os 15,565 euros, das ações da Jerónimo Martins. Os ganhos ocorrem depois de na sexta-feira ter sido conhecido que a retalhista elevou os ordenados nas lojas Biedronka na Polónia, com efeitos a partir do dia 1 de outubro. Trata-se do segundo este ano. Foi ainda comunicado pela empresa que o valor estimado da venda da unidade Monterroio à Sociedade Francisco Manuel dos Santos ascende aos 310 milhões de euros, permitindo uma mais-valia de 75 milhões de euros.

Já à Pharol compete lidera os ganhos do PSI 20, com as suas ações a somarem 4,58%, para os 25,1 cêntimos. As ações da Sonae Capital também se destacam entre os ganhos, depois de a empresa ter anunciado na sexta-feira passada que concretizou, por aproximadamente 1,75 milhões de euros, a alienação da participação indireta de 15% que detinha na Operscut – Operação e Manutenção de Auto-Estradas à EGIS ROAD OPERATION. As suas ações somam 1,62%, para os 69 cêntimos.

Em alta referência também para o BCP, cujos títulos avançam 0,81%, para os 1,55 cêntimos.

Já as quedas são lideradas pela EDP renováveis, cujos títulos perdem 0,7%, para os 7,096 euros.

Entre as 600 maiores cotadas europeias que integram o Stoxx 600, referência para o Grupo Henderson, cujas ações disparam 16,47%, depois do anúncio de fusão da gestora de ativos britânica com a par norte-americana Janus. As duas empresas irão dar lugar a um gigante do setor de 5,3 mil milhões de euros (6 mil milhões de dólares), em valor de mercado. O Stoxx Europe 600 desliza 0,21%, para os 342,71 pontos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa nacional em alta com ganhos da Jerónimo Martins

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião