E os operadores com mais reclamações? São a Cabovisão e a NOS

Mais de três em cada mil clientes apresentou reclamações sobre a Cabovisão (Nowo) e a NOS à Anacom, um valor superior à média de 1,8 reclamações. Há também menos queixas sobre a TDT.

A Cabovisão (agora, Nowo) e a NOS NOS 0,00% são os operadores com as maiores taxas de reclamações de clientes à Anacom no primeiro semestre deste ano. Neste período, o regulador registou uma média de 1,8 reclamações por cada mil clientes, valor que contrasta com os 3,5 e 3,1 atribuídos, respetivamente, a estes operadores. Seguem-se a MEO e a Vodafone, com 1,4 e 1,2 queixas por mil clientes, respetivamente.

Num relatório publicado esta segunda-feira, a Anacom diz ter recebido um total de 31,8 mil reclamações no primeiro semestre, uma redução de 0,7% em relação ao período homólogo e, destaca, “o número mais baixo desde 2013”. Do total de reclamações, 84% dizem respeito a serviços de comunicações eletrónicas, estando principalmente relacionadas com pacotes de serviços e com o serviço telefónico móvel.

Dentro das reclamações relacionadas com ofertas convergentes — área na qual a Vodafone é o operador mais reclamado, com 3,3 reclamações por mil clientes — os principais motivos prendem-se com a venda (25,5%) e cancelamento (23,6%) do serviço. Já no âmbito das queixas ligadas ao serviço móvel, o motivo principal são os equipamentos (35,6%), mais propriamente “avarias e questões relacionadas com a garantia”, explica a Anacom. Do lado do telefone fixo, a maioria das reclamações estão relacionadas com avarias (26,7%) e questões ligadas à portabilidade (20,9%).

A Anacom destaca ainda as reclamações respeitantes à internet em local fixo, onde o principal problema é a velocidade do acesso, além das avarias. Sobre os serviços de internet móvel, os problemas prendem-se, acima de tudo, com a venda do serviço e a faturação. E em relação à distribuição de sinais de televisão por subscrição, o problema mais reclamado são também as avarias.

Menos queixas sobre a TDT…

Segundo o relatório da Anacom, registaram-se menos reclamações relativas ao serviço de Televisão Digital Terrestre (TDT), onde se incluem os canais free-to-air, também chamados de sinal aberto. No primeiro semestre de 2016, a Anacom registou apenas 144 reclamações, 0,5% do total de reclamações.

Trata-se de uma queda de 38,5% em relação ao primeiro semestre de 2015, e a Anacom tem uma justificação para isso: “A cobertura e a receção do serviço foram os aspetos responsáveis pela redução das reclamações sobre TDT”, indica em comunicado.

Uma pequena parte do total de reclamações que, ainda assim, é menor do que a categoria de “outros serviços”, onde a Anacom coloca, por exemplo, os “serviços de valor acrescentado”. Diz o regulador que 2% das reclamações dizem respeito a estes “outros serviços”.

… mas mais queixas sobre serviços postais

As reclamações sobre serviços postais são 13,5% do total das queixas recebidas pelo regulador, percentagem que representa um aumento de 17,9% em relação ao primeiro semestre do ano passado. De acordo com a Anacom, quase metade dessas reclamações (45%) encontram-se “associadas a problemas na distribuição de envios postais”.

Os assuntos mais reclamados prendem-se com o atendimento nos postos e nas estações de correio, atraso na entrega de objetos postais (encomendas, por exemplo), falta de tentativa de entrega no domicílio, falhas na distribuição e, por fim, extravio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E os operadores com mais reclamações? São a Cabovisão e a NOS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião