BPI: Decisão sobre sigilo bancário foi “prudente”

  • Lusa
  • 4 Outubro 2016

O presidente do BPI diz que a decisão do Presidente da República de vetar o fim do sigilo bancário foi "prudente", referindo-se à instabilidade que se vive nos mercados.

O presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, considerou hoje que o Presidente da República foi “prudente” ao vetar o diploma do Governo relativo ao fim do sigilo bancário, apontando para a “instabilidade” que se vive nos mercados.

“Não vou falar sobre política. Eu percebo que, num momento em que há muita volatilidade e instabilidade nos mercados, e em que há muitas situações por consolidar, seja prudente. Foi dessa forma que eu entendi a posição do senhor Presidente da República”, afirmou aos jornalistas o gestor, à margem de um evento em Lisboa.

“Há muitos anos que digo que não é indispensável e até que não devia haver sigilo bancário para efeitos fiscais. Mas não é com o limite dos 50 mil euros ou não, porque há também muita fraude fiscal em níveis de rendimentos mais baixos”, sublinhou.

E realçou: “Penso que na situação em que estamos, eu compreendo uma atitude de prudência e de bom senso, e de não estar a fazer mexidas muito radicais, dado que há muita coisa para consolidar, na economia, no sistema financeiro, e na atração do investimento estrangeiro”.

Por outro lado, vincou Ulrich, nos últimos anos “foram realizados em Portugal muitos progressos na melhoria da eficiência da máquina fiscal e, portanto, a capacidade que o Fisco hoje em dia tem de cobrar os impostos é muito maior e [o sistema fiscal] funciona muito melhor do que há 10 ou 20 anos”.

O líder do BPI rematou que “tudo junto, uma posição de equilíbrio é, neste momento, mais construtiva”.

O Presidente da República vetou o decreto do Governo que obriga os bancos a informar a Autoridade Tributária sobre as contas bancárias de residentes em território nacional com saldo superior a 50 mil euros.

O Presidente da República justificou na sexta-feira o veto ao decreto do Governo sobre acesso da Autoridade Tributária a informação bancária considerando que é de uma “inoportunidade política” evidente, num momento de “sensível consolidação” do sistema bancário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI: Decisão sobre sigilo bancário foi “prudente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião