Brexit: Bancos norte-americanos confirmam saída do Reino Unido

  • Ana Luísa Alves
  • 14 Outubro 2016

Ministro das finanças francês disse que os bancos norte-americanos confirmaram a mudança de algumas das suas atividades financeiras para outros países europeus, quando o Reino Unido sair da UE.

Michel Sapin, ministro das Finanças francês, disse que os bancos norte-americanos confirmaram a mudança de algumas das suas atividades para fora do Reino Unido, quando forem oficialmente levadas a cabo as conversações para a saída da União Europeia. O destino escolhido vão ser outros países europeus.

“Para eles, até agora, a questão era ‘será que o Brexit vai mesmo acontecer? Vai mesmo ser implementado?’ Tem-se falado em dois anos mas pode ser que seja só daqui a três ou quatro anos?”, referiu Sapin, citando os responsáveis dos bancos, que visitou Washington na semana passada, citado pelo Guardian.

“Já não existe mais o ‘se’. É ‘vai mesmo acontecer o Brexit nos próximos dois anos, e depois desses dois anos nós vamos ter de tomar decisões”, explicou Sapin.

Paris está entre as cidades que esperam vir a acolher as instituições financeiras sediadas na City, se os bancos avançarem com a decisão revelada por Michel Sapin, para que os negócios europeus estejam salvaguardados.

Sapin acrescentou que os bancos norte-americanos tinham adotado uma posição de “esperar para ver”, o que acontecia relativamente aos investimentos britânicos.

Dirigentes do Bank Of England alertaram esta semana o governo britânico a propósito da perda de postos de trabalho bem pagos no setor financeiro, que podem mesmo abrir um buraco no orçamento do país, refere o Guardian.

Carmen Nuzzo, economista de um banco em Londres, escreveu numa nota aos seus clientes esta quarta-feira:” A maior ameaça provém das potenciais migrações que podem vir a prejudicar a colaboração internacional e a atratividade do Reino Unido”.

“Isto é um risco a longo prazo, mas pode ainda ser maior se o governo do Reino Unido der prioridade ao controlo da imigração antes de se preocupar com o acesso ao mercado único europeu”, acrescenta Nuzzo.

O ministro das Finanças acrescentou que a França está a trabalhar num plano para promover Paris no sentido de ser a futura capital financeira do velho continente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Bancos norte-americanos confirmam saída do Reino Unido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião