Governo prevê autorização legislativa para alterar descontos dos “recibos verdes”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 14 Outubro 2016

O Orçamento do Estado para 2017 prevê uma autorização legislativa para alterar o código contributivo.

O Governo quer mudar as regras que definem as contribuições dos trabalhadores independentes para a Segurança Social e o Orçamento do Estado para 2017 integra uma autorização legislativa nesse sentido.

A intenção é alterar o código contributivo, revendo a forma como são calculados os descontos dos “recibos verdes”, passando a ter em conta o “rendimento relevante auferido nos meses mais recentes, de acordo com períodos de apuramento a definir”. Esta alteração já estava prevista para 2016, mas não avançou ainda. Atualmente, estes trabalhadores descontam sobre os rendimentos do ano anterior (considerando, em regra, 70% do total de prestações de serviço e 20% dos rendimentos de produção e venda de bens).

Porém, o Executivo também quer prever “a existência de um montante mínimo mensal de contribuições”, para que os trabalhadores independentes tenham garantida “uma proteção social efetiva, sem lacunas ou interrupções na carreira contributiva, de modo a prevenir situações de ausência de prazo de garantia na atribuição de prestações sociais imediatas e mediatas, resultantes de grandes oscilações de faturação”, indica a proposta de lei a que o ECO teve acesso.

No âmbito destas alterações serão instituídas “regras transitórias de passagem” para o novo regime. O Executivo também quer “determinar que o montante anual de contribuições a pagar é o resultado da aplicação de taxas contributivas ao rendimento relevante anual”, rever as “regras de enquadramento e produção de efeitos do regime dos trabalhadores independentes” e consagrar “novas regras de isenção e de inexistência da obrigação de contribuir”.

O regime que se aplica a entidades contratantes (empresas que são responsáveis por grande parte do rendimento do trabalhador independente e são chamadas a pagar 5%) também será revisto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prevê autorização legislativa para alterar descontos dos “recibos verdes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião