Imposto sobre o álcool sobe 3% em 2017

Cerveja, bebidas espirituosas e vinho licorosos ficam mais caros no próximo ano, revela a versão preliminar do Orçamento do Estado para 2017.

A fatura dos portugueses com as bebidas alcoólicas deverá crescer no próximo ano. A versão preliminar do Orçamento do Estado para 2017 a que o ECO teve acesso aponta para uma subida de 3% no imposto sobre as bebidas alcoólicas.

As cervejas passam a ser tributadas a uma taxa que oscila entre um mínimo de 8,22 euros e um máximo de 28,9 euros, por hectolitro, dependendo do volume de álcool. Valores 3% acima do intervalo entre 7,98 euros e 28,06 euros, por hectolitro que foram contabilizados no Orçamento do Estado para este ano.

No caso das bebidas espirituosas, a taxa do imposto aplicável passa a ser de 1.367,78 euros/hectolitro, também 3% acima face aos 1.327,94 euros contabilizados para executivo para 2016.

Por sua vez, a taxa do imposto aplicável aos produtos intermédios, onde se inserem os vinhos licorosos foi estipulada nos 75,05 euros por hectolitro, 35 acima dos 72,86 euros do orçamentado para 2016.

No Orçamento do Estado de 2016, o Governo já tinha decidido aumentar em 3% o imposto aplicado à cerveja, às bebidas espirituosas e aos vinhos licorosos, prevendo arrecadar 187 milhões de euros com este imposto este ano. Até agosto a receita arrecadada com estes itens já tinha totalizado 123,9 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Imposto sobre o álcool sobe 3% em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião