Sauditas fazem maior emissão de dívida de sempre

  • Rita Atalaia
  • 17 Outubro 2016

A Arábia Saudita quer fazer a maior emissão de dívida de sempre no Médio Oriente. As discussões com os investidores devem terminar esta semana e a operação pode render 10 mil milhões de dólares.

A Arábia Saudita tem estado a falar com investidores com o objetivo de avançar com a maior venda de dívida soberana do Médio Oriente. A operação deverá ascender a um valor entre os 10 e os 20 mil milhões de dólares.

A CNBC diz que o reino tem estado a falar com investidores sobre o que pode ser uma venda considerável de obrigações soberanas. A oferta é um passo importante para o país, que quer encontrar outras fontes de receita. A oferta também é feita numa altura em que o reino precisa de organizar as suas finanças. A Arábia Saudita tem sido fortemente penalizada por um período longo de preços baixos do petróleo e pelos custos relacionados com a guerra no Iémen.

A Bloomberg avança que o país vai concluir esta semana as reuniões com os investidores sobre a venda planeada de obrigações soberanas, que será a maior de sempre no Médio Oriente. Os bancos sauditas também têm “muita margem para aumentar a emissão de dívida”, diz Jaap Meijer, responsável pelo research de investimento do banco Arqaam Capital Ltd. “As obrigações são um financiamento de longo prazo e são muito mais estáveis do que os depósitos”, diz o responsável.

A Arábia Saudita vai realizar hoje uma conferência com analistas para discutir a questão das obrigações com investidores norte-americanos. O reino está a dizer aos investidores que quer alcançar um orçamento equilibrado até 2020 e que espera que os preços do petróleo se mantenham dentro do intervalo atual. O road show para esta operação aconteceu na semana passada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sauditas fazem maior emissão de dívida de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião