António Domingues vai ganhar muito ou pouco? Depende

São 423 mil euros por ano. São cerca de 30 mil por mês, mas depois de impostos o novo presidente executivo da CGD fica com menos de 13 mil euros.

António Domingues vai receber um salário bruto anual de 423 mil euros, correspondente a mais de 30 mil euros mensais. O anúncio, feito por Mário Centeno, tem suscitado muito debate, sobretudo no Parlamento, com várias vozes a insurgirem-se contra o valor que o antigo administrador do BPI vai obter à frente do banco público. Mas será mesmo um salário muito elevado?


A realidade dos impostos portugueses vai fazer com que, na prática, o gestor do maior banco português leve para casa menos de metade dos 423 mil euros. Após aplicada a taxa máxima de retenção de IRS, o salário líquido de António Domingues fixa-se em perto de 182 mil euros anuais, com o salário mensal a rondar menos de 13 mil euros líquidos, de acordo com cálculos do ECO. Isto excluindo eventuais prémios que o novo presidente da CGD possa vir a receber.

Se estiver a falar de um presidente executivo numa empresa com alguma dimensão, 25 a 30 mil euros por mês é um salário habitual. Abaixo disto é um mau salário, seja na banca ou fora da banca

Mira Amaral

Ex-CEO do BIC

13 mil euros é o equivalente a quase 25 salários mínimos nacionais. Nesta métrica, é um valor substancial, ainda que estejamos a falar de um cargo de liderança de uma instituição com enorme peso no financiamento da economia nacional. É um cargo público. E quanto ganha um funcionário público? 1.642,1 euros por mês, brutos. São cerca de 1.100 euros, líquidos. Ou seja, o novo líder da CGD vai ganhar 12 vezes mais.

Mas António Domingues é um presidente executivo. “Se estiver a falar de um presidente executivo numa empresa com alguma dimensão, 25 a 30 mil euros por mês é um salário habitual. Abaixo disto é um mau salário, seja na banca ou fora da banca”, diz o ex-ministro Luís Mira Amaral, que esteve à frente do banco BIC.

Na comparação com outros CEO, o líder do banco no qual o Estado deverá injetar 2,7 mil milhões de euros, nem ganha assim tanto. É mais baixo do que o recebido, por exemplo, pelos CEO do Santander Totta ou do BPI. No ano passado, o vice-presidente executivo do Totta, António Vieira Monteiro, recebeu um salário bruto fixo de 568 mil euros. Para além disso, o presidente do Totta recebeu um prémio em dinheiro de 225 mil euros, mais 209 mil euros cujo pagamento ficou retido. Já Fernando Ulrich arrecadou em 2015 um vencimento fixo de 462 mil euros e teve direito a um prémio de gestão da ordem dos 122 mil euros.

Se formos comparar com a remuneração dos gestores mais bem pagos das cotadas do PSI-20, a discrepância é muito mais elevada. O salário dos 10 CEO mais bem pagos das cotadas que integram o índice de referência da bolsa nacional aponta para um valor médio superior a 933 mil euros anuais. Ou seja, mais do dobro do salário que António Domingues vai receber à frente da CGD. António Mexia é o mais bem pago: 1,82 milhões de euros, mas a empresa que lidera tem lucros anuais na casa dos mil milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Domingues vai ganhar muito ou pouco? Depende

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião