Sanções: Bruxelas espera que plano orçamental de Portugal respeite promessas

  • Lusa
  • 19 Outubro 2016

Vice-presidente da Comissão Europeia espera que planos orçamentais de Portugal e Espanha respeitem os compromissos assumidos por Lisboa e Madrid, pois tal evitaria muitos problemas.

O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Investimento e Competitividade disse hoje esperar que os planos orçamentais de Portugal e Espanha, já entregues em Bruxelas, respeitem os compromissos assumidos por Lisboa e Madrid, pois tal evitaria muitos problemas.

Durante uma conferência de imprensa em Bruxelas, Jyrki Katainen, questionado sobre o processo de eventual suspensão de fundos a Portugal e Espanha no quadro dos procedimentos por défice excessivo, apontou que o “diálogo consultivo” entre Comissão e Parlamento Europeu ainda prossegue, mas salientou que “o que importa” é que as propostas orçamentais para 2017 entregues em Bruxelas pelos dois governos “respeitem as promessas”, algo que a Comissão ainda não está em condições de determinar, pois só agora começou a análise aos documentos.

“A Comissão está a analisar os esboços de planos orçamentais, pelo que não posso adiantar muito. Todos esperamos que os dois países tenham providenciado planos orçamentais que respeitem as promessas que fizeram aos outros Estados-membros, é só isso que interessa”, declarou Katainen, acrescentando que tal “evitaria muitos problemas a todos”, designadamente aos dois países em causa.

O comissário europeu para o Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade disse ainda não haver um calendário definido para uma tomada de decisão relativamente à possível suspensão parcial de fundos estruturais e de investimento, pois desconhece quando é que o Parlamento Europeu está em condições de prosseguir o “diálogo estruturado” que solicitou com a Comissão, e que já anunciou que pretende continuar, com audições aos ministros das Finanças de Portugal, Mário Centeno, e Espanha, Luis de Guindos.

Fontes parlamentares indicaram à Lusa que, ao contrário do previsto, as audições não deverão ter lugar na próxima semana, estando ainda em curso discussões para encontrar uma data conveniente para ambos os ministros, o que poderá suceder já só no início de novembro.

Portugal entregou na segunda-feira a proposta de Orçamento de Estado para 2017 (OE2017), assim como o “relatório de ação efetiva”, através do qual o Governo deve demonstrar a Bruxelas que tomou as ações necessárias para assegurar o cumprimento das novas metas orçamentais, e designadamente de redução do défice, evitando assim uma suspensão de fundos a partir do próximo ano.

Relativamente ao projeto orçamental, a Comissão terá de adotar uma opinião sobre os mesmos até 30 de novembro, mas caso identifique logo à partida riscos particularmente sérios de incumprimento das obrigações à luz do Pacto de Estabilidade e Crescimento, deve adotar uma opinião no prazo de duas semanas, ou seja, até final do corrente mês de outubro.

Já a decisão sobre uma possível suspensão de fundos está dependente da conclusão do diálogo com o Parlamento Europeu, da análise do relatório de ação efetiva e do OE2017, assim como das previsões económicas de outono, que o executivo comunitário divulgará em novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sanções: Bruxelas espera que plano orçamental de Portugal respeite promessas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião