Vem aí a nova geração das empresas mais disruptivas do mundo. E a portuguesa Biocol Labs está na lista

Este laboratório português que se dedica a produzir suplementos alimentares naturais foi considerado uma das empresas mais disruptivas do mundo.

Há um grupo de especialistas que se dedica a identificar a próxima geração das Google, Uber e Airbnb deste mundo. Chama-se The Future Laboratory, é uma consultora multinacional e, no dia 12 de outubro, promoveu o Global Futures Forum, que decorreu em Londres e que convidou 20 empresas a apresentarem os seus negócios. O critério de seleção era simples: só eram consideradas as empresas que estejam a alterar radicalmente o panorama de consumo e negócio. No fundo, aquelas que podem ser consideradas as mais disruptivas do mundo, em áreas que vão do retalho à beleza, passando pela tecnologia e energia.

Uma das presenças era portuguesa. Referimo-nos à Biocol Labs, laboratório português que foi distinguido pelo “papel transformador na reputação da indústria farmacêutica, beleza e bem-estar, resultado da criação de produtos naturais, éticos e artesanais de design provocante e transparente, além da valorização da ciência e da criatividade em doses iguais”.

Somos um laboratório de produção artesanal que acredita na junção da natureza, ciência e arte. Se estes são os valores que vão definir o futuro da indústria, não podíamos estar mais entusiasmados.

Christian Balivet

Biocol Labs

“É extraordinário a Biocol Labs ter sido considerada a próxima geração de empresas como a Google, a Uber e a Airbnb. Especialmente, tendo em conta que somos um laboratório com 40 anos, familiar, independente, de produção artesanal, que acredita na junção da natureza, ciência e arte. Se estes são os valores que vão definir o futuro da indústria, não podíamos estar mais entusiasmados com o futuro”, comenta Christian Balivet, um dos sócios da Biocol Labs, citado em comunicado.

Christian Balivet foi um dos oradores da noite de 12 de outubro, ao lado de nomes como o de Melissa Dick, diretora editorial da Style.com (da Vogue), David Rowan, editor da Wired UK, e Claus Sendliner, CEO da cadeia Design Hotels.

Durante o evento do Global Futures Forum, a Biocol Labs foi ainda convidada a expor os seus produtos, acabando por fazer uma instalação artística, através da qual mostrou a sua visão de uma sociedade em que os comprimidos crescem em jardins e onde os químicos são absurdos e redundantes.

Só agora é que a Biocol Labs está a ser considerada uma das mais disruptivas do mundo, mas está longe de ser uma startup. Nasceu em 1977, pelas mãos do avô de Christian Balivet, que queria ter um laboratório independente. Já neste milénio, Christian mudou-se da agência de publicidade onde trabalhava para o laboratório do avô e, depois de um ano de trabalho, nasceu a algo, uma marca de suplementos alimentares naturais que “parte da convicção de que o mercado de suplementos está saturado de produtos pouco claros, de múltiplas finalidades e de qualidade inconsistente”.

A algo está neste momento a ser lançada no Reino Unido, onde assume o nome something.

Veja aqui a lista completa das startups mais disruptivas do mundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí a nova geração das empresas mais disruptivas do mundo. E a portuguesa Biocol Labs está na lista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião