Presidente da Oi convicto de que conseguirá chegar a um acordo com credores

  • Lusa
  • 20 Outubro 2016

Está a decorrer um processo de recuperação judicial para evitar a falência da empresa de telecomunicações brasileira.

O presidente da telefónica Oi, Marco Schroeder, manifestou-se na quarta-feira confiante de que a empresa chegará a um acordo com os credores, no âmbito do processo de recuperação judicial da gigante brasileira.

“Tenho a convicção de que vamos chegar a um acordo. Isso é do interesse de todos, dos credores, fornecedores e usuários, e vamos conseguir equacionar esse problema”, afirmou o executivo, citado pela imprensa brasileira. Marco Schroeder, que participou no Futurecom, um evento com representes do setor em São Paulo, acrescentou que as dívidas com os fornecedores e os passivos com os trabalhadores estão “praticamente encaminhadas” e que o mesmo acontecerá com os restantes credores. O responsável da empresa sublinhou que todos os agentes envolvidos com a Oi entendem que o melhor para o setor é que a operadora de telecomunicações supere a recuperação judicial.

A empresa – detida em 27% pela portuguesa Pharol (antiga PT SGPS) – entrou num processo de recuperação judicial com 65,4 mil milhões de reais (18,8 mil milhões de euros) de dívidas, para evitar a falência. Marco Schroeder disse que a dívida resultou de “questões operacionais, decisões erradas e da situação macroeconómica”, atingindo um ponto “acima do que o balanço da companhia permite servir”. O mesmo responsável referiu que a hipótese de a companhia se desfazer de ativos no Brasil só poderá acontecer “daqui a dois, três anos”, após equacionar a dívida, mas não colocou de parte a venda de ativos no estrangeiro, designadamente participações da empresa em operadoras em África e em Timor-Leste.

“Devemos focar-nos em negociar a dívida. Eu não acredito na Oi vendendo ativos aqui dentro do Brasil”, referiu. Entretanto, o presidente da América Móvil no Brasil, José Félix, também citado pela imprensa brasileira, sublinhou o interesse do grupo em comprar “certos ativos da Oi”, dando o exemplo de São Paulo como uma região onde isso pode acontecer.

Sabia que…

Dia Europeu da Estatística / Fonte: INE
Dia Europeu da Estatística / Fonte: INE

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da Oi convicto de que conseguirá chegar a um acordo com credores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião