Oi recebe três ofertas pela Timor Telecom

  • Lusa
  • 10 Outubro 2016

A operadora brasileira tem três ofertas "firmes e vinculativas". O grupo Investel e ETO estão na corrida.

A brasileira Oi recebeu três ofertas “firmes e vinculativas” para compra da sua participação na Timor Telecom, devendo uma decisão ser tomada “relativamente rápido” sobre a venda, confirmou à Lusa fonte do processo.

Duas das três ofertas foram feitas por grupos liderados por empresários timorenses e a terceira por um fundo de pensões das Fiji, tendo todas sido apresentadas antes do limite do prazo que terminou na passada sexta-feira.

Os dois timorenses interessados no negócio são Abílio Araújo, responsável do grupo Investel – que tem sócios e capital do Médio Oriente – e Nilton Gusmão, responsável do grupo ETO.

Até ao momento não se conhecem quaisquer pormenores das ofertas, tendo Abílio Araújo afirmado à Lusa que acredita no sucesso da sua “proposta e do valor oferecido” que está “fortemente apoiado por capitais próprios e garantia bancária confortável”. Não foi possível à Lusa obter qualquer comentário de Nilton Gusmão sobre a sua oferta.

“Espera-se que uma decisão seja tomada relativamente rápido”, disse fonte próxima ao processo.

Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT) onde, por sua vez, a Oi controla 76% do capital, a que se soma uma participação direta da PT Participações SGPS de 3,05%.

Os restantes acionistas da TPT são a Fundação Harii – Sociedade para o Desenvolvimento de Timor-Leste (ligada à diocese de Baucau), que controla 18%, e a Fundação Oriente (6%).

Na TT, o capital está dividido entre a TPT (54,01%), o Estado timorense (20,59%), a empresa com sede em Macau VDT Operator Holdings (17,86%) e o empresário timorense Júlio Alfaro (4,49%).

A operação poderá representar o início de uma reconfiguração do mercado de telecomunicações em Timor-Leste — que especialistas dizem estar saturado com os atuais três operadores.

Além da Timor Telecom, a primeira a estabelecer-se no país, operam no país a indonésia Telkomcel e a vietnamita Telemor, ambas estatais.

Fontes do setor confirmaram há Lusa que estão a decorrer outros contactos que podem “redefinir o mercado das telecomunicações” no futuro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi recebe três ofertas pela Timor Telecom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião