Investimento: “Portugueses têm produtos sem saberem”

  • Leonor Rodrigues
  • 21 Outubro 2016

Carlos Tavares afirma que muitos portugueses subscrevem produtos de investimento sem saberem o que estão realmente a comprar. Alguns nem sabem que os têm.

Cerca de 90% dos portugueses afirma não ter nem nunca ter tido produtos de investimento financeiro, de acordo com o relatório relativo à literacia financeira da população portuguesa do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. No entanto, Carlos Tavares, presidente da CMVM, afirma que muitos têm e nem o sabem. Outros, aqueles que compram este tipo de produtos, muitas vezes não têm consciência do que compraram.

As pessoas têm produtos [de investimento] sem saberem e não têm consciência do que têm.

Carlos Tavares

Presidente CMVM

Carlos Tavares deu o exemplo da aceitação dos termos de responsabilidade que muitas vezes se tem de confirmar para aceder a algo na internet e que, na maioria das vezes, não é lido. “As pessoas têm de ter consciência do que estão a assinar“, alerta.

Para o presidente da CMVM algumas das soluções passam pela responsabilização das instituições, formação e certificação dos vendedores, até porque a “má conduta do vendedor recai sobre as instituições financeiras”, e referiu que, em 2018, deverá ser aprovada a possibilidade de os supervisores impedirem a venda de determinados produtos que sejam muito complexos para os consumidores. No entanto, garante que a Comissão está já a tentar antecipar essa medida para alguns destes investimentos. Por outro lado, é importante que se identifiquem eventuais conflitos de interesse: “É preciso ter capacidade para identificar as situações anómalas e combatê-las”. Sem nunca referir concretamente nenhum caso do panorama português, nomeadamente o que aconteceu no BES, Taveiras acrescenta: “temos perceção do problema e consciência de que o problema nunca está resolvido porque temos de estar sempre atentos”.

Além disso, Carlos Tavares está “convicto de que, muitas vezes, nem os colaboradores sabem bem o que estão a vender aos clientes“. Algo que pode ser preocupante tendo em conta outra conclusão do inquérito que refere que o fator que mais determina a tomada de decisão na aquisição de um produto é o conselho do gestor de conta ou de outro colaborador da instituição financeira da qual é cliente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento: “Portugueses têm produtos sem saberem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião