Grupo EDP dita perdas na praça lisboeta

  • Leonor Rodrigues
  • 27 Outubro 2016

PSI-20 desvalorizou pela terceira sessão, condicionado pelas perdas da EDP e EDP Renováveis. O índice português recuou 0,55%. Apenas duas empresas cotadas valorizaram.

A bolsa lisboeta fechou mais uma vez no vermelho. O PSI-20 desvalorizou 0,55% para os 4.675,81 pontos, pressionado pelas perdas da EDP e EDP Renováveis. Portugal acompanhou a tendência europeia, com os investidores a mostrarem-se receosos perante a fraca época de apresentação dos resultados trimestrais das empresas.

A EDP desvalorizou 1,35% para 2,99 euros e a EDP Renováveis caiu 0,94% para 6,95 euros. O BCP continua a negociar no vermelho segunda-feira, altura em que procedeu ao reverse stock split. As ações do banco liderado por Nuno Amado recuaram 1,63% para 1,28 euros.

O BPI, pelo contrário, valorizou. As ações do banco português valorizaram 0,27% para os 1,13 euros, isto depois de o BPI ter apresentado na quarta-feira os resultados do terceiro trimestre, com lucros de 182,9 milhões de euros, um crescimento de mais de 20% face ao período homólogo do ano passado.

Seis das empresas cotadas no índice nacional acabaram o dia com valorizações. De salientar o avanço de 0,51% para 15,77 euros da Jerónimo Martins e de 0,56% para 1,78 euros da Mota Engil. A construtora foi a que mais valorizou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Grupo EDP dita perdas na praça lisboeta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião