Confiança em compras importantes sobe aos níveis de 2004

As compras importantes estão na mente dos portugueses. O inquérito aos consumidores do INE revelou que a confiança para a realização de compras importantes regressou aos níveis de 2003.

Desde janeiro de 2004 que os consumidores não estavam tão confiantes na realização de compras importantes. Desde o início do ano que essa tendência verificava-se, mas com os valores do Inquérito Qualitativo de Conjuntura aos Consumidores de outubro divulgados esta sexta-feira confirmam “o movimento ascendente iniciado em janeiro”, escreve o INE.

Além da melhoria das apreciações dos consumidores em relação à realização de compras importantes, também o “saldo das expectativas de realização de compras importantes estabilizou em outubro, após ter registado no mês anterior o valor máximo desde abril de 2010”, explica a nota do Instituto Nacional de Estatística.

Apesar de o conceito de “compras importantes” não se encontrar definido de forma explícita, o INE explicou ao ECO que são dados os seguintes exemplos no inquérito qualitativo: “mobiliário, equipamento elétrico, equipamento eletrónico,…”

Ou seja, estamos a falar de bens de consumo duradouro, exceto habitação e automóveis porque “têm questões específicas” dentro do inquérito.

Evolução da realização de compras importantes desde 1997

2016out28_comprasimporantes-01
Dados: Instituto Nacional de Estatística. Valores em percentagem.

Esta tendência é demonstrada pelas médias móveis dos últimos três meses com os valores corrigidos da sazonalidade. Isto permite verificar tendências negativas ou positivas e retirar o stress que a linha de evolução possa ter em determinado período de tempo.

Aliado a esse crescimento, a confiança dos consumidores está a subir em toda a linha: sentem que vão conseguir poupar mais, temem menos o desemprego, acreditam que terão melhores rendimentos no futuro e até estão otimistas em relação ao rumo do país.

A avaliação resulta dos indicadores de confiança referentes a setembro e outubro, sendo que o indicador de confiança dos consumidores tinha diminuídos nos três meses anteriores. Já os empresários recomendam cautela. O indicador de clima económico “diminuiu de forma ténue” em outubro mas manteve-se próximo dos valores registados nos dois meses anteriores.

“Em outubro, o indicador de confiança aumentou na Indústria Transformadora e na Construção e Obras Públicas e diminuiu ligeiramente no Comércio e nos Serviços”, refere o INE no destaque.

Editado por Pedro Sousa Carvalho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confiança em compras importantes sobe aos níveis de 2004

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião