Governo conta com 125 milhões do plano de reavaliação de ativos

A medida ainda não chegou ao terreno, mas o ministro das Finanças já está a contar com uma receita de 125 milhões de euros para este ano. E avisa que está a estimar por baixo.

O ministro das Finanças está a contar com um encaixe de 125 milhões de euros nas receitas fiscais por causa do regime de reavaliação de ativos, que está na calha para as empresas. Mário Centeno garante que a estimativa está feita por defeito, mas o programa ainda nem chegou ao terreno.

Na carta enviada à Comissão Europeia, onde o ministro apresenta os fundamentos da projeção de receita fiscal inscrita no Orçamento do Estado para 2017, Mário Centeno revela que a estimativa para o regime de reavaliação de ativos é de 125 milhões de euros por ano, durante um período de três anos.

“Apesar de só termos dados preliminares, estes já ultrapassam a previsão anual por vários milhões”, lê-se no documento enviado pelo ministro à Comissão Europeia.

Mas se o regime de reavaliação de ativos ainda nem está aprovado, como é que é possível haver já estimativas? Simples, a Administração Fiscal sabe quais os ativos em utilização por parte das empresas e passíveis de depreciação, bastando fazer um cálculo aproximado e assim ter uma tendência.

Fontes contactadas pelo ECO defendem que a estimativa de 125 milhões a avançada pelas Finanças é baixa. E apontam para que o programa no seu conjunto venha a render aos cofres do Estado 400 milhões de euros.

Grandes empresas já estão a fazer contas

As grandes empresas nacionais já estão a fazer contas para poder beneficiar do regime, confirmou o ECO. Apesar do diploma ainda não ter sido publicado, as grandes empresas já começaram a fazer o trabalho para poder beneficiar deste regime opcional que implica uma tributação autónoma de 14%, paga em três prestações (em 2016, 2017 e 2018). Em causa está a possibilidade de as empresas deduzirem no seu IRC “os acréscimos de depreciação dos ativos objeto de reavaliação, segundo a versão preliminar do documento a que o Expresso teve acesso.

Tendo em conta que a primeira prestação é paga este ano, o trabalho de reavaliação dos ativos em muitos casos já está a ser feito. O problema são as PME. O ECO foi alertado para o facto de as empresas de pequena e média dimensão provavelmente já não terem tempo para usufruir deste incentivo fiscal. Se esperarem pela publicação do diploma para saber os detalhes da medida, podem depois não ter tempo para proceder à reavaliação dos ativos, um trabalho que é feito por terceiros. Em causa estão ativos fixos tangíveis ligados à atividade comercial, industrial ou agrícola, e ainda as propriedades de investimento e os elementos patrimoniais de natureza tangível afetos a contratos de concessão, isto de acordo com a mesma versão preliminar.

Esta situação poderá provocar um “desajustamento” entre as grandes e as pequenas empresas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo conta com 125 milhões do plano de reavaliação de ativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião