SAG encolhe prejuízos para 900 mil euros

  • Lusa
  • 31 Outubro 2016

A SIVA, detida pela SAG, vendeu menos automóveis que no ano passado. A quota de mercado da SIVA foi de 13%, uma quebra face a 2015.

A SAG GEST – Soluções Automóvel Globais registou prejuízos de 900 mil euros no terceiro trimestre do ano, valor que representa uma melhoria face aos 5,5 milhões de euros de prejuízos verificados no período homólogo do ano passado.

De acordo com a informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o volume de negócios consolidado dos primeiros nove meses em análise foi de 460,8 milhões de euros, uma redução marginal de 0,8% face aos 464,7 milhões de euros registados no período homólogo do ano anterior.

O EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) subiu 2,6% no terceiro trimestre para os 14,79 milhões de euros, acima dos 14,41 milhões de euros registados em igual período de 2015.

O valor da margem efetiva consolidada registou um aumento de 1,3% em relação ao valor registado no período findo em 30 de setembro de 2015, correspondendo a 10,5% do volume de negócios consolidado (10,3% no mesmo período em 2015).

Segundo a SAG, o mercado automóvel em Portugal “manteve nos três primeiros trimestres de 2016 a trajetória de crescimento dos anos anteriores”, com um aumento de 15,0% em relação ao mesmo período de 2015, e um volume (pedidos de matrículas) total de 183.529 unidades.

“Este comportamento do mercado foi, tal como já era notório no primeiro semestre do ano, impulsionado pelo forte crescimento do segmento do “Rent-a-Car” e pela antecipação das compras face ao anúncio do aumento da fiscalidade automóvel, a partir de abril”, justifica a empresa.

O volume registado pelas marcas representadas pela SIVA — Audi, Volkswagen e Skoda – foi de 23.930 unidades, o que representou uma redução de 2,4% em relação às 24.506 unidades dos primeiros nove meses do ano passado.

Entre janeiro e setembro deste ano, a quota de mercado da SIVA foi de 13%, “o que representou uma redução de 2,4 pontos percentuais em relação à registada no mesmo período de 2015, “devido à estratégia de não acompanhamento do forte ritmo de crescimento do mercado de “Rent-a-Car””, acrescenta a SAG.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SAG encolhe prejuízos para 900 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião