Oficial: Sérgio Monteiro fica mais três meses até à venda do Novo Banco

O Banco de Portugal prolongou por três meses o contrato. Pode estendê-lo, no limite, por mais três. O objetivo é manter Sérgio Monteiro até à conclusão da venda do Novo Banco.

O Banco de Portugal estendeu o contrato de consultoria de Sérgio Monteiro até ao final de janeiro. Confirmando a informação avançada pelo Jornal de Negócios, o regulador anunciou, em comunicado, a decisão de prolongar por mais três meses a prestação de serviços, até que esteja concluído o processo de venda do Novo Banco.

“Estando ainda em curso o processo de venda do Novo Banco, o Banco de Portugal, enquanto Autoridade de Resolução, decidiu prolongar, por três meses, o contrato de prestação de serviços do Dr. Sérgio Monteiro celebrado para o exercício da função de project management officer (PMO) do referido processo”, diz o regulador.

O prolongamento do contrato de prestação de serviços do Dr. Sérgio Monteiro é essencial para garantir a continuidade na direção da equipa operacional que, no Banco de Portugal, coordena o processo de venda, que se encontra numa fase crucial”, acrescenta.

O contrato de consultoria do Banco de Portugal com Sérgio Monteiro terminava no último dia de outubro. Foi prolongado até ao final de janeiro, mas nesta “decisão fica também prevista a possibilidade de renovações mensais adicionais até ao máximo de mais três meses”. Ou seja, no limite Sérgio Monteiro ficará em funções até ao final de abril.

As propostas de compra do Novo Banco deverão ser apresentadas até 4 de novembro. O Banco de Portugal quer definir uma solução acionista para o Novo Banco até ao fim do ano, uma decisão que o primeiro-ministro já assumiu, será política.

“O prolongamento do contrato de prestação de serviços mantém inalteradas as condições iniciais estabelecidas”, diz o Banco de Portugal. O prolongamento do contrato representa um encargo adicional de 76,2 mil euros para o supervisor da banca nacional.

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oficial: Sérgio Monteiro fica mais três meses até à venda do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião