Volkswagen: Mudança para a era elétrica vai custar “cinco dígitos” de postos de trabalho

A produção e montagem dos motores elétricos exige menos trabalhadores que os motores de combustão, justifica o diretor de RH da Volkswagen.

A transição para a geração de carros elétricos na Volkswagen vai levar ao corte de postos de trabalho na ordem dos cinco dígitos. A notícia é avançada pelo Frankfurter Allgemeine Zeitung, que cita o diretor de recursos humanos da fabricante automóvel alemã.

Em causa, explica Karlheinz Blessing, o diretor de recursos humanos da Volkswagen, está o facto de a produção e montagem dos motores elétricos exigir menos trabalhadores que os motores de combustão.

Neste cenário, a comissão de trabalhadores da Volkswagen, atualmente em negociações com a administração da empresa para definir um plano de reestruturação da marca, espera já um corte de 25 mil trabalhadores ao longo da próxima década, número também motivado pelas reformas dos trabalhadores mais velhos.

A comissão e a administração tentam chegar a acordo até ao próximo dia 18 de novembro, data em que o conselho de supervisão da empresa alemã se reúne para aprovar os planos de contenção de custos.

Seja como for, reforçou Blessing, não haverá “despedimentos forçados” na Volkswagen.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Volkswagen: Mudança para a era elétrica vai custar “cinco dígitos” de postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião