Donald Trump supera Hillary nas sondagens

  • Lusa
  • 1 Novembro 2016

Trump surge à frente de Hillary na corrida à presidência dos EUA. Esta é a primeira sondagem depois de o FBI ter anunciado que vai aprofundar os e-mails enviados pela candidata democrata.

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, tem uma vantagem de um ponto percentual sobre a candidata democrata, Hillary Clinton, numa sondagem divulgada hoje pelo jornal The Washington Post e pela televisão ABC.

A uma semana das eleições presidenciais de 8 de novembro, Trump tem 46% de intenções de voto e Clinton 45% numa sondagem elaborada de 27 a 30 de outubro, com uma amostra de 1.128 votantes.

Esta é a primeira vez, desde maio, que o milionário e candidato republicano supera a sua adversária nesta sondagem publicada regularmente pelo The Washington Post e pela televisão ABC.

Esta sondagem publicada hoje surge depois de o FBI ter anunciado que vai aprofundar a investigação à utilização de um endereço de e-mail privado por parte de Hillary quando era secretária de Estado, cargo que ocupou entre 2009 e 2013.

Na semana passada, Clinton liderava, com 46%, mais um do que Trump, esta sondagem, que chegou a dar 12 pontos de vantagem à ex-secretária de Estado relativamente a Trump (50% contra 38%).

Hoje, Hillary Clinton regressa à Flórida com três atos de campanha, no dia seguinte terá o apoio do vice-presidente, Joe Biden, e na quinta-feira será o próprio Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a viajar para o Estado para apoiar Hillary Clinton.

Trump, por seu lado, vai na quarta-feira participar numa ação de campanha dirigida aos latinos de Miami, essenciais para garantir a vitória no estado.

Trump precisa de ganhar na Flórida, que representa 29 votos eleitorais, para poder aspirar ao triunfo nas presidenciais, pois segundo o Real Clear Politics, Trump tem atualmente 164 votos dos 270 necessários para vencer, enquanto Clinton já conta com 263.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Trump supera Hillary nas sondagens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião