Quer ganhar com as eleições norte-americanas?

Clinton ou Trump? Polémicas à parte, o próximo presidente dos Estados Unidos vai ter impacto nos mercados acionistas. Se pretende apostar na bolsa americana, vai querer estar do lado vencedor.

Quando os norte-americanos decidirem o próximo Presidente dos Estados Unidos, também você vai querer estar do lado vencedor. Tanto Hillary Clinton como Donald Trump têm colecionado polémicas nas últimas semanas de campanha. Para os investidores, porém, o ponto de interesse é saber como as suas visões e políticas para a maior economia do mundo vão ter impacto real em Wall Street.

Hillary e Trump têm em comum o interesse pelo setor da Defesa, mas há mais diferenças que os separam do que semelhanças que os unem. Tem ideia de como as propostas de cada candidato à Casa Branca vai influenciar as bolsas e as empresas?

Não? Então VOTE no seu candidato e descubra onde deve colocar as suas fichas.2016out18_voto-em-hillary-trump-01

2016out18_voto-em-hillary-trump-02

Wall Street ganha mais com democratas

Vale o que vale. Segundo as contas da corretora XTB, desde 1945, o índice de referência mundial S&P 500 valorizou-se a uma média anual de 9,7% durante os mandatos democratas, em comparação com uma taxa de crescimento médio anual de 6,7% observada nos períodos de poder republicano.

Foi, contudo, durante a presidência do republicano Gerald Ford que o S&P 500 provou o maior ganho — valorizou-se a uma taxa anual de 18,6%. Mas também foi durante a liderança republicana que o índice composto pelas 500 maiores empresas americanas caiu: primeiro com Nixon e depois com Bush (o filho).

Do lado democrata, a era Bill Clinton trouxe um ganho médio anual de 14,9% às bolsas. Também Obama foi um talismã: durante os seus dois mandatos, o S&P 500 cresceu a uma média anual de 12,4%.

Taxa de crescimento anual do S&P 500 por mandato

sp500_bolsas

“Estatísticas à parte, a candidata democrata Hillary Clinton representa a opção pela continuidade, com a qual o mercado provavelmente enfrentaria menos sobressaltos e manteria a tendência atual de lucros empresariais”, consideram os analistas da XTB. “Em contraste, Donald Trump propõe medidas que, do ponto de vista empresarial, poderiam ser positivas — como a redução dos impostos sobre as empresas -–, mas que por outro lado gerariam muita instabilidade tendo em conta o seu caráter beligerante”, reforçaram os analistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer ganhar com as eleições norte-americanas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião