Hillary e Trump dão o tudo por tudo nos “swing states”

O dia D chegou. Os americanos vão hoje às urnas para decidir o novo Presidente dos EUA. Hillary Clinton e Donald Trump deram o tudo por tudo nos comícios da última noite de campanha.

Chegou o dia D. Hoje é o último último dia de uma campanha renhida e pautada pela falta de elegância. Por isso, tanto Hillary Clinton como Donald Trump escolheram os swing states para realizar os últimos comícios. Hillary pede o voto numa “América generosa”, Trump insiste no seu slogan America first.

No seu último discurso, em Raleigh, na Carolina do Norte, Hillary pediu aos eleitores para escolherem a sua visão “de uma América com esperança, inclusiva, generosa”. “Os nossos valores fundamentais estão a ser testados nestas eleições, mas a minha fé no nosso futuro nunca foi mais forte”, disse.

Não temos de aceitar uma América obscura e divisionista”, afirmou, a candidata à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata, no início da madrugada nos Estados Unidos, a poucas horas da abertura das mesas de voto na costa leste do país, que hoje escolhe o sucessor de Barack Obama.

Apesar de esta ter sido a sua última iniciativa antes da abertura das mesas de voto, o grande comício de fecho de campanha de Clinton foi horas antes, em Filadélfia, onde juntou perto de 40 mil pessoas — um recorde de afluência — e onde estiveram, a seu lado, Barack Obama, a primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, e o ex-Presidente e seu marido Bill Clinton.

epa05621870 Democratic Party 2016 US presidential nominee Hillary Clinton (R) and her husband Bill Clinton participate in her final late night campaign event at North Carolina State University in Raleigh, North Carolina, USA, 08 November 2016. The USA general election will take place on 08 November.  EPA/CAITLIN PENNA
Hillary Clinton (D) e o seu marido Bill Clinton participam na última noite de campanha na Universidade da Carolina do Norte em Raleigh. EPA/CAITLIN PENNA

Em Filadélfia, Hillary Clinton apelou ao voto dos norte-americanos nas eleições de hoje para haver um resultado “sem dúvidas”. “Vamos votar!”, disse Clinton, que pediu para as eleições de hoje não deixarem qualquer dúvida ao seu rival do Partido Republicano, Donald Trump, que admitiu a possibilidade, durante a campanha, de não reconhecer os resultados. Mostrem “que não há dúvida sobre o resultado destas eleições”, vincou.

Hillary Clinton chega ao dia da votação à frente nas sondagens, mas a diferença média em relação a Donald Trump é inferior a três pontos percentuais. As primeiras estimativas apontam para que o voto antecipado tenha sido a opção de 46,3 milhões de eleitores, mas este valor poderá subir até aos 50 milhões. No último ato eleitoral, foram 46,2 milhões os eleitores que optaram pelo voto antecipado, ou seja, 35% dos sufrágios. Por agora, de acordo com o cálculo baseado nas médias das intensões de voto do site RealClearPolitics, Hillary vence em termos de grandes eleitorados.

 

Trump e a America First

Indiferente às sondagens, Trump não baixa os braços. E apesar de não ter estrelas de rock nos seus comícios, no último dia a família saiu em peso para o apoiar. “Imaginem aquilo que o nosso país poderia conseguir se começássemos a trabalhar juntos como um povo, sob um Deus, saudando a bandeira americana”, disse a apoiantes no estado do Michigan, no início da madrugada de hoje, a poucas horas da abertura das mesas de voto na costa leste dos Estados Unidos.

“Hoje é o nosso Dia da Independência”, disse Trump, candidato à Casa Branca pelo Partido Republicano. Trump tinha inicialmente previsto fechar a campanha em New Hampshire, mas acrescentou uma ida ao Michigan à última hora. Aos apoiantes no Michigan disse que, agora que a campanha terminou, a sua “nova aventura” será “voltar a tornar a América grande outra vez”.

Donald Trump, 2016 Republican presidential nominee, gestures while speaking during a campaign event in Scranton, Pennsylvania, U.S., on Monday, Nov. 7, 2016. A federal judge rejected arguments that Trump and his political adviser Roger Stone are rallying supporters to intimidate minority voters on Election Day by acting as vigilante poll monitors and "ballot integrity" volunteers. Photographer: Michael Nagle/Bloomberg
Donald Trump, no último comício em Scranton, na Pensilvania. Michael Nagle/Bloomberg

Trump percorreu na segunda-feira, último dia de campanha, cinco estados do país: Florida, Carolina do Norte, Pensilvânia, New Hampshire e Michigan. Em New Hampshire disse que vai ganhar as eleições de hoje e que o Partido recuperará a Casa Branca. “Vamos recuperar a Casa Branca”, disse, perante mais de nove mil apoiantes. “Peço o voto de todos os norte-americanos. Democratas, independentes (…) que sintam a desesperada necessidade de uma mudança”, afirmou o milionário.

“A partir de amanhã [hoje] voltaremos a fazer grandes os EUA”, acrescentou, referindo mais uma vez um dos seus lemas de campanha. Foi em New Hampshire que Trump ganhou as primeiras primárias, em fevereiro deste ano, no início da corrida eleitoral que o levou a ser nomeado candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos.

Neste comício, Trump voltou a atacar Hillary Clinton, que disse ser “a pessoa mais corrupta” que alguma vez se candidatou à Casa Branca e que afirmou “ter sido protegida por um sistema completamente arranjado”. Durante a campanha, Trump admitiu a possibilidade de não vir a reconhecer os resultados das eleições de hoje.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hillary e Trump dão o tudo por tudo nos “swing states”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião