Para os portugueses nos EUA, nem Hillary nem Trump

  • Lusa
  • 3 Novembro 2016

"Esta tem sido uma eleição difícil, cansativa e dominada por insultos pessoais", diz o luso-americano Fernando Rosa.

A candidata Democrata Hillary Clinton e o candidato Republicano Donald Trump são pouco populares entre a comunidade luso-americana, de acordo com líderes comunitários ouvidos pela Lusa.

“Esta tem sido uma eleição difícil, cansativa e dominada por insultos pessoais e insultos dirigidos a vários grupos ou atividades. Nenhum dos candidato é muito popular”, disse o presidente da Portuguese-American Leadership Council of the United States (PALCUS), Fernando Rosa, à Lusa.

“A maioria da população do país e da nossa comunidade vê os dois candidatos negativamente, mas muitos sentem que Trump é extremista e sentem que as opiniões de Hillary são mais tradicionais”, confirma Gabriel Marques, Conselheiro das Comunidades Portuguesas em Nova Iorque.

Votar em Clinton mas com pouca vontade

Outro conselheiro das comunidades, Manuel Viegas, baseado na Flórida, diz que “a maioria da comunidade continua a ser democrata e vai votar em Hillary Clinton, mas não se nota um grande entusiasmo à volta da sua candidatura.” Viegas vive em Palm Coast, uma cidade da Flórida onde nos últimos anos se formou uma comunidade portuguesa com cerca de 13 mil pessoas.

“A Flórida pode ser o estado que decide a eleição. Poucos portugueses aqui admitem que votam em Trump, apenas os que são muito ricos, mas admito que existam alguns que votarão nele e não o dizem por vergonha”, explica Viegas.

Segundo os líderes ouvidos pela Lusa, os temas que mais preocupam os portugueses são o estado da economia, impostos e cuidados de saúde. Numa comunidade antiga, integrada na sociedade americana, um tema como a reforma das leis de imigração já não está no topo da lista das prioridades, mas mesmo assim as propostas de Donald Trump causam receios.

“O medo de uma Presidência Trump é muito real”

“Há uma grande parte da população portuguesa em várias fases de imigração, o que é particularmente difícil para muitas famílias que têm crianças com cidadania norte-americana“, explica Gabriel Marques, acrescentando que “o medo de uma Presidência Trump é muito real.”

Fernando Rosa diz que os portugueses que planeiam votar em Trump “usam o argumento de que a oposição não é de confiança” e que o empresário “poderá gerir melhor a economia, diminuindo os impostos.”

“Alguns também querem uma posição mais forte na emigração, apesar de tirarem vantagem, sempre que podem, dos ilegais que cá se encontram para se beneficiar”, acrescenta.

Em Boston, muitos preveem votar Trump

João Pacheco, conselheiro das comunidades para as comunidades residentes em Boston, Providence e New Bedford, diz que “alguns portugueses irão votar em Trump porque estão cansados de promessas.”

“Há muitas pessoas que me disseram que vão votar em Trump. Penso que a maioria está frustrada com o governo atual e com a economia estagnada. O seu apoio vem de uma antipatia para com as políticas do presidente Obama e de um desejo crescente de mudança da política tradicional em Washington”, explica.

Quanto a Hillary Clinton, João Pacheco diz que será a escolha de “grande percentagem da comunidade”, apesar de muitos considerarem que “tem um historial negativo e que não responde às perguntas com clareza e honestidade.” Fernando Rosa concorda e acrescenta que “a campanha democrata tem tido imensas dificuldades” e que, por isso, não tem conseguido afastar essa imagem da candidata democrata.

Gabriel Marques defende, no entanto, que “as opiniões de Hillary para cuidados de saúde universal e educação universitária gratuita ressoam muito com a comunidade, porque muitos estão familiarizados com estes programas em Portugal.”

O presidente da PALCUS concluiu dizendo que “a nação está dividida e polarizada e não existe diálogo” e que, por isso, receia que algumas regras de normal funcionamento da democracia dos EUA estejam em risco depois de 8 de novembro.

“Tem sido uma campanha complicada e com acusações que põem à prova o sistema da democracia americana, que se rege pelo respeito, apesar de diferença de opiniões, e por aceitar os resultados que as urnas produzem”, declarou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Para os portugueses nos EUA, nem Hillary nem Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião