Desemprego cai para 10,5% no terceiro trimestre de 2016

  • Margarida Peixoto
  • 9 Novembro 2016

A taxa de desemprego caiu para 10,5% no terceiro trimestre de 2016, melhorando tanto em termos trimestrais, como homólogos. Houve criação líquida de empregos, garante o INE.

A taxa de desemprego caiu para 10,5% no terceiro trimestre de 2016. Os dados revelados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que houve uma criação líquida de 59 mil empregos, em três meses.

A redução da taxa de desemprego significa uma melhoria tanto em relação ao trimestre anterior (de 0,3 pontos percentuais), como face ao verificado no ano passado (na ordem dos 1,4 pontos).

A melhoria do mercado de trabalho português continua a bom ritmo. No período de julho a setembro estavam desempregadas 549,5 mil pessoas, cerca de 9.800 desempregados a menos do que no trimestre anterior. Face ao terceiro trimestre de 2015, o número de desempregados caiu 11,2%, o equivalente a 69,3 mil pessoas.

No que toca à população empregada, o acréscimo trimestral foi de 59 mil pessoas (mais 1,3%) e o aumento homólogo foi de 86,2 mil pessoas (mais 1,9%).

O primeiro-ministro considerou hoje que Portugal recebeu “uma boa notícia” ao registar “nova descida sustentada” da taxa de desemprego.

 

“Os dados do desemprego revelam que Portugal teve uma nova redução sustentada do desemprego, com uma taxa que caiu de 10,9 para 10,5%, com 90 mil novos postos de trabalho criados. Essa é seguramente a boa notícia que nos deve motivar e dar confiança no trabalho que temos vindo a fazer”, declarou António Costa, citado pela Lusa.

(atualizado com declarações de António Costa)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego cai para 10,5% no terceiro trimestre de 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião