MNE contra negociações bilaterais sobre o “Brexit”

  • Lusa
  • 10 Novembro 2016

Santos Silva apelou em Berlim à negociação multilateral sobre o "Brexit" desencorajando qualquer "espécie de negociação informal".

O ministro dos Negócios Estrangeiros português apelou hoje em Berlim à negociação exclusivamente multilateral da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), desencorajando qualquer “espécie de negociação informal”, à margem do Conselho Europeu.

“Do lado português há [a preocupação] que a negociação seja multilateral e, portanto, não haja nenhuma espécie de negociação informal, bilateral, à margem do Conselho Europeu nas duas diferentes formações”, disse Augusto Santos Silva à agência Lusa em Berlim.

A preparação do processo de negociação do ‘Brexit’ foi tema central no encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier, que decorreu hoje em Berlim.

Além das negociações bilaterais, os ministros discutiram a importância de conservação das quatro liberdades fundamentais da UE, não sendo possível “fatiar” a relação com o Reino Unido.

"Do lado português há [a preocupação] que a negociação seja multilateral e, portanto, não haja nenhuma espécie de negociação informal, bilateral, à margem do Conselho Europeu nas duas diferentes formações”

Augusto Santos Silva

Ministro dos Negócios Estrangeiros

“Há um princípio de que não podemos abdicar: a unidade das quatro liberdades fundamentais. Ninguém pode ter liberdade de circulação de bens, de mercadorias e de capitais e não aceitar a liberdade de pessoas”, referiu Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros acrescentou que esta condição “não significa desvalorizar a importância absolutamente estratégica do Reino Unido na Europa, em particular, no pilar da segurança e da defesa europeia”.

O chefe da diplomacia portuguesa e o seu homólogo alemão discutiram também os resultados das eleições norte-americanas, que desencadearam a marcação de uma reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE no domingo à noite, na véspera de um Conselho de Ministros das Relações Exteriores.

Santos Silva garantiu haver uma convergência de opiniões entre Portugal e a Alemanha “no sentido em que o resultado eleitoral norte-americano e a nova administração reforçam a responsabilidade da Europa como ator global”.

A reunião bilateral focou-se ainda na política de vizinhança da UE, nomeadamente na relação com a Turquia e a Rússia, ressalvando o dever “de se manter um diálogo político muito próximo” com ambos os países e a necessidade de assegurar a segurança europeia, “designadamente da fronteira leste da UE”.

Augusto Santos Silva falou à agência Lusa à margem do 4 º Fórum Portugal-Alemanha que decorreu hoje em Berlim, organizado pelo Instituto Português de Relações Internacionais, pela Fundação Calouste Gulbenkian e pelo Institut für Europäische Politik de Berlim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MNE contra negociações bilaterais sobre o “Brexit”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião