Depois do gasóleo, é a vez da gasolina. Vai descer

O petróleo subiu e caiu, mas e os combustíveis? As cotações caíram. E vêm aí novas descidas nos preços de venda nos postos de abastecimento nacionais.

Tem um automóvel a gasolina? Se ficou com inveja de quem tem um carro a gasóleo por causa da forte descida dos preços no início da semana, prepara-se. Agora há boas notícias para si. Há margem para descidas em ambos os combustíveis, mas a queda mais expressiva será no valor de venda do litro de gasolina.

Os preços do petróleo nem sofreram grandes alterações na semana — subiram e desceram ao ritmo das expectativas quanto ao corte ou não de produção da OPEP, mas o saldo acabou por ser praticamente nulo. Contudo, as cotações dos combustíveis caíram. O preço médio do tonelada métrica da gasolina encolheu em mais de 5%, já em euros.

O resultado desta descida das cotações nos mercados internacionais será uma redução entre dois e 2,5 cêntimos no preço de venda do litro de gasolina nos postos nacionais, de acordo com os cálculos do ECO baseados nas cotações da Bloomberg. A gasolina simples de 95 octanas, que baixou dos 1,40 euros (1,397 euros, em média) no arranque da semana, pode baixar para cerca de 1,37 euros.

A gasolina vai, assim, sentir um alívio próximo daquele que foi verificado no gasóleo no arranque da semana, naquela que foi a maior descida de preços desde o início do ano. O diesel também tem margem para voltar a baixar, mas muito ligeiramente. Embora a gasolina tenha cedido mais de 5% nos mercados, este que é o combustível mais utilizado pelos portugueses, desceu apenas 1,2%.

O gasóleo simples está a ser comercializado a 1,176 euros por litro, de acordo com os dados da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), mas pode recuar cerca de meio cêntimo no arranque da semana para se aproximar dos 1,17 euros. Nos postos mais baratos do país, pertencentes a grandes superfícies comerciais, o valor ficará mais perto dos 1,05 euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Depois do gasóleo, é a vez da gasolina. Vai descer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião