Risco de Portugal agrava-se para níveis pré-DBRS

Taxa de juro da dívida a 10 anos supera a barreira dos 3,5%, algo que não acontecia desde a semana que antecedeu o Orçamento do Estado. E numa altura em que a agência DBRS mantinha Portugal "refém".

Os juros da dívida portuguesa estão a disparar. A perceção de risco nos mercados escala para o nível mais elevado desde que Mário Centeno, ministro das Finanças, levou a proposta de Orçamento do Estado ao Parlamento no passado dia 14 de outubro. Nessa altura, Portugal estava “refém” da DBRS, a agência canadiana que na semana seguinte iria decidir se o país continuava ou não qualificado para o programa de dívida do Banco Central Europeu (BCE).

No mercado secundário, os juros nacionais voltavam esta sexta-feira a subir em todos os prazos. E em força. No caso das obrigações a 10 anos, a referência no mercado, a taxa implícita avançava mais de 12 pontos base para 3,523%, o nível mais elevado desde o dia 7 de outubro. A cinco anos, a yield associada subia sete pontos base para 1,99%.

O movimento de agravamento do risco era generalizado a outros mercados. Em Espanha, na mesma maturidade, a taxa implícita também avançava mais de dez pontos base para valores observados após o referendo no Reino Unido no final de julho. E no caso italiano, os juros subiam para um valor acima de 2% pela primeira vez desde setembro.

Juros portugueses agravam-se no mercado secundário

Fonte: Blomberg (Valores em percentagem)
Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

Na Alemanha, a taxa de juro da dívida a dez anos seguia nos 0,305%, o nível mais elevado desde março. Ainda assim, a escalada das taxas de Portugal faz com quem o prémio de risco exigido pelos investidores para apostarem na dívida nacional em detrimento dos títulos da maior economia da Europa disparar para 319 pontos base, nível a que estava quando aguardava o veredicto da DBRS.

Assiste-se a uma movimento de fuga às obrigações soberanas, com os investidores a refletirem no mercado de dívida os receios em torno das políticas que serão adotadas nos EUA pelo futuro presidente, Donald Trump. O receio é de que faça disparar a inflação, forçando a Fed a subidas abruptas dos juros.

Para Adam Donaldson, diretor de obrigações da Commonwealth Bank of Australia, a eleição de Trump é um “game changer” para os mercados obrigacionistas. “A forte inclinação [de Trump] para maior expansão orçamental e da inflação representa uma mudança radical face ao mal-estar dos últimos anos. Isto abre a porta para a Fed subir os juros em dezembro e para o ritmo de subidas das taxas ser mais rápida em 2017 e 2018 do que o esperado”, acrescentou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Risco de Portugal agrava-se para níveis pré-DBRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião