Milionários perdem 38 mil milhões com choque de Trump

Carlos Slim foi o milionário mais penalizado pelos mercados no seguimento da vitória de Trump. O mexicano perdeu em poucas horas mais de 9% da sua fortuna.

O colapso inicial dos mercados, em reação à vitória de Trump nas presidenciais norte-americanas, ceifou uma parcela considerável das fortunas dos homens mais ricos do mundo. De acordo com o índice de milionários da Bloomberg, as primeiras horas do dia de ontem roubaram o equivalente a cerca de 37,5 mil milhões de euros (41 mil milhões de euros) às maiores fortunas do mundo.

Carlos Slim, que possui a quinta maior fortuna do mundo e a maior do México, foi o milionário mais penalizado pelo pânico que inicialmente se instalou nos mercados financeiros. O milionário mexicano viu desaparecer 9,2% da sua fortuna, depois de o peso ter derrapado mais de 12% nas primeiras horas do dia.

O índice da Bloomberg quase que reverteu, nesse período, os cerca de 52 mil milhões de euros (57 mil milhões de dólares) amealhados pelos milionários no início desta semana, quando a expectativa dos investidores apontava para a vitória de Hillary Clinton.

Os dez milionários mexicanos mais ricos sofreram uma desvalorização combinada de cerca de seis mil milhões de euros (6,5 mil milhões de dólares) nas primeiras horas após o choque de Trump. Já os milionários norte-americanos que representam um terço da fortuna avaliada pelo índice de fortunas da Bloomberg, sofreram a maior perda em dólares: 9,3 mil milhões.

Em termos combinados, a riqueza líquida dos milionários considerados no índice caiu perto de 1%, para 3,7 biliões de euros (quatro biliões de dólares).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Milionários perdem 38 mil milhões com choque de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião