Endesa: preços da energia refletem carga fiscal

  • Lusa
  • 14 Novembro 2016

Para o presidente da Endesa Portugal será “muito difícil” ter preços de energia “mais comportáveis” enquanto o setor for visto como “de eleição para a receita fiscal".

“Muitas vezes a crítica às empresas do setor energético, refletida nas lamentações sobre o custo dos produtos e dos serviços energéticos, esquece que a componente fundamental da fatura energética (seja da eletricidade, combustíveis ou gás) decorre de custos que não têm a ver com esta indústria, são custos impostos por decisões políticas, entre os quais pontificam taxas e impostos”, afirmou Nuno Ribeiro da Silva em declarações à agência Lusa.

Falando à margem de uma conferência, no Porto, sobre ‘Inovação de base Tecnológica e Competitividade’, o presidente da Endesa disse estarem em causa “desde impostos decididos pelo Governo central, como é o caso da CESE [Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético, que tem custado à Endesa cerca de 11 milhões de euros/ano], até taxas e impostos que decorrem de decisões a nível autárquico”.

“Não podemos ter algumas pessoas que têm responsabilidade sobre a sobrecarga de custos – seja pela via de impostos, seja por via de taxas ou de transferência de custos políticos – a lamentarem-se e a apontarem um dedo desconfiado para a indústria energética, quando a penalidade em termos de custos advém essencialmente de decisões de caráter político”, reiterou.

Relativamente à CESE – em vigor desde 2014 e que se vai manter inalterada no próximo ano, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2017 – o presidente da Endesa Portugal considerou que “um imposto, ainda por cima extraordinário, é sempre negativo”.

A CESE é um encargo para as empresas que acaba por se refletir nos preços que o consumidor final paga.

Nuno Ribeiro da Silva

Presidente da Endesa Portugal

“Mais um imposto sobre o setor energético – que acresce a outros, entre os quais um IVA de 23% e muitas e variadas taxas e chamados custos políticos – é negativo porque estamos, essencialmente, a refletir no consumo das famílias e das empresas uma carga fiscal tremenda sobre os diferentes produtos energéticos, que naturalmente afeta o orçamento das famílias e a competitividade das empresas”, sustentou.

Questionado sobre a eventualidade de a CESE vir a assumir um caráter definitivo, Nuno Ribeiro da Silva disse serem, “infelizmente, várias as experiências na história” do país “em que o provisório se torna definitivo”, mas alertou: “É evidente que é um encargo para as empresas, agora não tenhamos ilusões: a manter-se em definitivo, mais tarde ou mais cedo, acaba por se refletir nos preços que o consumidor final paga”.

Em vigor desde 2014, a CESE está fixada em 0,85% sobre os ativos das empresas de energia, incidindo sobre a produção, transporte ou distribuição de eletricidade e de gás natural, bem como a refinação, tratamento, armazenamento, transporte, distribuição ou comercialização grossista de petróleo e produtos de petróleo.

Em 2014, a CESE representou uma receita de 65,1 milhões de euros e, em 2015, o valor totalizou 115,5 milhões de euros, sendo uma parte desta verba destinada a abater ao défice tarifário.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endesa: preços da energia refletem carga fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião