Marcelo: crescimento do PIB é “muitíssimo mais” do que esperado

  • Lusa
  • 15 Novembro 2016

O Presidente da República diz não estar surpreendido com o crescimento do PIB no 3º trimestre. No entanto, Marcelo afirma que Portugal está "a crescer muitíssimo mais do que se pensava".

“Respeitando as opiniões mais diversas, diria que o facto mais importante do dia é estarmos a crescer muitíssimo mais do que se pensava, e que não pode deixar de ter bons resultados em termos de execução orçamental”, sublinhou o Presidente da República.

Além disso, o Presidente da República desvalorizou o parecer do Conselho de Finanças Públicas (CFP), divulgado esta terça-feira, sobre a proposta orçamental para 2017, preferindo destacar os dados do Instituto Nacional de Estatística segundo os quais o país está a crescer.

“O pôr-se o acento tónico naquilo que, eventualmente, é mais discutível ou mais duvidoso e não naquilo que é mais positivo é uma maneira muito portuguesa de olhar a realidade”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, em Lisboa, quando confrontado pela imprensa com a análise do CFP sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2017.

Na análise à proposta do Orçamento do Estado para 2017, o CFP considera que a proposta orçamental “permanece aquém do necessário” quanto à restrição dos recursos no médio prazo e quanto à definição de prioridades na despesa pública, reiterando que “o crescimento não pode resultar apenas de estímulos à procura interna”.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas à margem da cerimónia de entrega dos Prémios Pfizer de Investigação 2016, a que presidiu, preferiu destacar o crescimento da economia portuguesa de 1,6 por cento no terceiro trimestre de 2016, face a igual período de 2015, de acordo com a estimativa hoje divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística, acima das previsões dos analistas.

O Chefe de Estado lembrou que “se está a discutir com a União Europeia números visando o reconhecimento do esforço” que Portugal está a fazer para manter as contas em ordem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: crescimento do PIB é “muitíssimo mais” do que esperado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião