Passeie por 11 das ruas mais caras do mundo

  • Ana Luísa Alves
  • 16 Novembro 2016

O ranking da Cushman & Wakefield revela quais são as ruas mais caras do mundo. Chiado subiu duas posições este ano.

As ruas mais caras do mundo estão no mais recente estudo da Cushman & Wakefield. Estão incluídas 71 localizações, e a rua mais cara de Lisboa aparece ainda na primeira metade das classificações.

A encabeçar a lista das ruas mais caras do mundo está, uma vez mais, a 5ª Avenida, em Nova Iorque, nos EUA. A renda anual média de uma loja na 5ª avenida foi de 29.065,5 euros por metro quadrado/ano.

Lisboa e Porto têm sido o alvo das grandes marcas, mas é na capital que se encontra a rua mais cara do país: o Chiado, que este ano subiu duas posições no ranking, ocupa o 34º lugar. Segundo o ranking, a boa classificação lisboeta fica a dever-se às alterações que o mercado retalhista sofreu nos últimos anos e a uma “combinação de fatores que contribuíram para uma recuperação económica, como o turismo, a maturação do centro de compras e a alteração das leis do arrendamento”, explica o relatório da consultora.

O comércio retalhista tradicional de Lisboa, como a Avenida da Liberdade, era a escolha principal para quem queria comprar bens de luxo. No entanto, o Chiado tornou-se a capital “mais trend” da baixa pombalina, e viu algum ajustamento nas suas rendas.

“O tamanho pequeno do mercado é um fator limitador, mas os projetos de renovação urbana devem incentivar a procura e aliviar alguns constrangimentos de futuro”, é também referido no estudo.

Na (restante) Europa, os Campos Elísios em Paris, são a localização mais cara, ocupando a terceira posição do ranking, seguidos pela New Bond Street em Londres, com rendas anuais de 13.255 euros/m2 e 12.433 euros/m2 respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passeie por 11 das ruas mais caras do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião