É metaleiro? Tem um jogo de perguntas em português

É fã de heavy metal? Se quiser testar os seus conhecimentos, este jogo português é para si. Um jornalista especializado em música criou mais de 1.800 questões para pôr à prova os metaleiros.

Há um novo jogo de tabuleiro, mas não é de cultura geral. As perguntas focam-se em apenas um tema: heavy metal. O jogo de trivialidades foi inventado pelo jornalista musical Fernando Reis e já está disponível para pré-venda.

metal pursuit jogo

Etapa 1: Idealizar

Tudo começou, como em outros negócios, por ser um jogo para amigos. “Procurei pelo jogo porque pensei que já existia, mas não existia nada do género. Não existia nada especializado nesta cultura, nem sequer existia um Trivial Pursuit dedicado à música”, conta, ao ECO.

“Primeiro pensei em fazer uns cartões só para mim e para os amigos, mas depois surgiu a ideia de comercializar”, explica o fundador do jogo de 41 anos, que já passou pelas revistas Riff e Loud. Atualmente, o jornalista musical trabalha na Ultraje Magazine, título focado em rock e metal.

Não quis lançar logo o pacote total em Portugal por medo da reação do público ao preço. Há um ano chegaram os cartões com as questões, algo que se podia aplicar aos jogos do tipo já existentes. “Começaram várias pessoas a perguntar-me por que não lançava o tabuleiro e comecei a trabalhar nisso. Primeiro no design e depois na mecânica de jogo”, explica ao ECO.

A primeira abordagem ao mercado correu bem. “O público-alvo foi atingido”, considera, o que levou ao lançamento do tabuleiro no final deste ano. No final do mês deverá chegar às lojas, encontrando-se neste momento em pré-venda.

Etapa 2: Compor

Este jogo é igual aos demais de cultura geral? “Existem algumas diferenças: a principal é que se pode desafiar alguém diretamente”, refere. De acordo com a sua estratégia e os seus conhecimentos em cada categoria, pode desafiar alguém específico para ganhar mais pontos. No entanto, a base do jogo assemelha-se ao Trivial Pursuit.

Ao todo existem seis categorias: metal português (cor azul), bandas clássicas (cor rosa), metal em geral (cor amarela), thrash (cor castanha), hard rock (cor verde) e black metal escandinavo (cor laranja). O jogo pode envolver dois ou mais jogadores (ou equipas de jogadores). E, claro, existem casas especiais: o Ícone do Sinal dos Cornos e o Ícone da Caveira (Challenge).

metal pursuit

No primeiro caso, o jogador pode escolher a categoria de questão a que pretende responder e uma resposta certa vale 20 pontos. Já no segundo caso, chega a tal parte do desafio. O jogador que chegar a essa casa escolhe um adversário para desafiar. “Depois, atira o dado para sortear a categoria de questões que vai sair. A questão é feita por uma terceira pessoa, em simultâneo para os dois jogadores em desafio. Quem responder primeiro acertadamente ganha 40 pontos”, explicam as regras.

No final, quem ganha? Ganha o jogador ou a equipa que chegar primeiro aos 200 pontos e responder pelo menos a uma questão de cada uma das seis categorias. Ao todo, o jogo tem 1.800 perguntas distintas.

Etapa 3: Produzir

O produto em si foi mais fácil de construir do que pensava, confessa ao ECO. A produção foi feita por partes: primeiro, imprimir os cartões; depois as peças do jogo, o tabuleiro e caixas foram feitas em diferentes sítios. “Por causa do revivalismo deste tipo de jogos, há cada vez mais sites e empresas especializadas em vender peças diferentes“, refere.

O tabuleiro vai ser limitado a 50 unidades. “Está praticamente tudo vendido. Restam-me três ou quatro unidades por vender, que assim que o tabuleiro chegue às lojas julgo que se esgotará”, considera.

Etapa 4: Distribuir

O parceiro de distribuição é a Rastilho Records, uma editora de Leiria. “Para além de jornalista musical, estive alguns anos ligado a empresas de comercialização deste estilo de música. Já tenho uma carteira de contactos em redes de lojas multinacionais que nesta altura foi muito útil“, explica.

O jogo estará à venda, para além da compra direta através do site, nos seguintes espaços: Glam-o-Rama (Lisboa), Carbono (Lisboa), Carbono Amadora, Piranha (Porto) e Lojas Fnac. Existem três opções de compra, cujo preço varia entre os 22,50 e 40 euros. A versão mais completa inclui um deck de 300 cartas com questões, tabuleiro, peças, dado, folha de regras, fichas de pontuação, caixa de jogo em cartão e palheta de coleção.

Etapa 5: Internacionalizar

O próximo passo é a internacionalização do jogo, mas é uma fase “ainda em exploração”. Para Fernando Reis existem dois mercados interessantes: o inglês e o alemão. Até lá existe um trabalho a ser feito: traduzir as questões e adaptar as categorias ao mercado nacional de cada país.

“A abordagem aí tem de ser diferente. Tenho de arranjar um parceiro local que trate da distribuição e logística. Como são mercados com sensibilidade diferente ao preço, o jogo pode ser lançado logo como um todo”, considera.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É metaleiro? Tem um jogo de perguntas em português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião