PhotoScan, a maneira de guardar as suas fotos antigas na cloud

A Google lançou a PhotoScan, uma aplicação para digitalizar fotografias antigas com a câmara do telemóvel. É gratuita e funciona em dispositivos iOS e Android.

Digitalizar fotografias antigas dá trabalho. Muito trabalho. Mas agora há uma aplicação que promete facilitar o processo. Chama-se PhotoScan e foi criada pela Google para que possa, finalmente, guardar cópias digitais daqueles velhos álbuns que tem lá em casa a acumular pó.

A app, com versões totalmente gratuitas para iOS e Android, usa a câmara do telemóvel e bastam-lhe quatro cliques para transformar as fotografias em imagens digitais. Depois, a ferramenta deteta os cantos da fotografia, torna a imagem plana, corrige a orientação e remove o brilho típico do papel fotográfico.

Pode ainda interligar a PhotoScan com o Google Photos, o gestor de fotografias da Google. Isso permite guardar as imagens digitalizadas diretamente na Google Drive, ou partilhá-las com os amigos e a família. Basicamente, nunca mais terá de enviar cópias em papel das fotografias antigas.

Num comunicado, a Google justifica a criação da PhotoScan com o facto de que muita gente não digitaliza as fotos antigas por falta de tempo e por ser difícil. “Sabíamos que tinha de haver outra forma”, refere Jingyu Cui, engenheiro da empresa.

A multinacional aproveitou ainda para apresentar novas ferramentas de edição de imagem para o Google Photos. Para aceder, abra a imagem que pretende modificar e clique no botão Editar, representado pela imagem de um lápis. A partir daí poderá cortar a imagem, endireitá-la, corrigir a cor ou aplicar um dos diversos filtros disponíveis.

Existem outras aplicações para digitalizar fotografias antigas, de forma relativamente simples. A PicScanner é um exemplo, mas é paga e só funciona em dispositivos da Apple. Outro exemplo é a Shoebox, que faz o mesmo e pode ser descarregada da loja do iOS ou do Android.

Vídeo: É assim que funciona a PhotoScan

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PhotoScan, a maneira de guardar as suas fotos antigas na cloud

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião