Portugal paga mais por dívida de curto prazo

O IGCP foi ao mercado colocar dívida de curto prazo. E num contexto de agravamento das taxas, acabou por pagar mais. A taxa a 12 meses subiu para 0,005%.

Portugal foi ao mercado colocar 1.500 milhões de euros. E pagou mais por estes títulos de dívida de curto prazo, reflexo do agravamento recente das taxas nos mercados. Manteve um juro negativo no prazo a seis meses, mas a taxa a 12 passou para terreno positivo.

O IGCP colocou 250 milhões de euros no prazo mais curto, a seis meses. A taxa subiu, mas manteve-se em terreno negativo, com Portugal a obter um juro de -0,027%. Na última operação comparável, segundo a Bloomberg, o juro tinha sido de -0,033%.

No caso dos títulos de mais longo prazo, a taxa passou a ser positiva. Portugal colocou a maior “fatia” dos 1.500 milhões de euros em títulos com maturidade em novembro de 2017 (um prazo de 12 meses). Os 1.250 milhões contaram com um juro de 0,005%, isto numa operação em que a procura superou a oferta em 1,57 vezes (na anterior tinha sido superior: 1,6 vezes). Na última operação, a taxa a 12 meses tinha sido de -0,014%.

Juros da dívida em alta

Fonte: Bloomber (Valores em percentagem)
Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

As taxas subiram ligeiramente face aos leilões anteriores, num movimento que acompanha a curva de toda a dívida europeia nas últimas sessões. Houve um ajuste em praticamente todos os países, e as BT seguem as obrigações”, nota Filipe Silva, responsável pela negociação de dívida no Banco Carregosa.

Teria sido interessante perceber de que forma uma colocação de longo prazo teria excedido as expectativas, já que o clima de apetite pelo risco é grande após a eleição de Donald Trump

Tiago da Costa Cardoso

Gestor da XTB

Marisa Cabrita, gestora de ativos da Orey Financial, nota que “considerando o sell off observado no mercado obrigacionista, um pouco por todo o lado, depois da eleição de Donald Trump, e que levou à subida das yields, os resultados do leilão de hoje podem ser considerados positivos“.

Teria sido interessante perceber de que forma uma colocação de longo prazo teria excedido as expectativas, já que o clima de apetite pelo risco é grande após a eleição de Donald Trump”, refere Tiago da Costa Cardoso, gestor da XTB.

Assistiu-se a um agravamento que reflete a subida dos juros da dívida portuguesa e de outros países da Zona Euro nas últimas semanas, depois da eleição de Donald Trump para presidente dos EUA. Os investidores estão a antecipar o fim dos juros baixos com base nas políticas de Trump.

A yield portuguesa a 10 anos sobe 11 pontos base, para se fixar acima da fasquia dos 3,5%, nos 3,604%. Trata-se da taxa mais elevada desde fevereiro. No mesmo sentido, seguem as taxas espanhola e italiana, que agravam no mesmo prazo perto de seis pontos e quase sete pontos, respetivamente, para 1,517% e 2,033%. As Bunds a 10 anos sobem quase três pontos base, para 0,333%, um máximo de janeiro.

(Notícia atualizada com comentários de analistas à emissão de bilhetes do Tesouro)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga mais por dívida de curto prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião