Faria de Oliveira: “Este ruído é muito negativo para a Caixa e para o sector”

  • ECO
  • 17 Novembro 2016

O presidente da APB diz que é urgente acabar com o impasse que se gerou em torno da Caixa. E está confiante numa solução para o Novo Banco até ao final do ano.

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), considera que todo ruído gerado em torno da entrega ou não das declarações de rendimentos da nova equipa de gestão da Caixa ao Tribunal Constitucional (TC) é “extremamente negativo” não só para o banco público como o setor, e apela à rápida resolução do mesmo. As afirmações de Faria de Oliveira foram proferidas numa entrevista de hoje ao público e à Rádio Renascença (acesso pago).

“Todo este ruído acerca da CGD é extremamente negativo. Para além do seu programa de recapitalização, a CGD precisa de estabilidade e precisa de entrar em pleno funcionamento. E este ruído ensurdecedor é profundamente negativo. É tempo de acabar com ele”, disse o presidente da APB.

Questionado sobre se os novos gestores da CGD devem ou não entregas essas declarações ao TC, Faria de Oliveira diz que “a interpretação da lei apontará nesse sentido” e que, independentemente dos acordos que tenham feito, esta obrigatoriedade resulta dos “termos da lei”.

Faria de Oliveira apela ainda para a necessidade de terminar o mais rápido possível com o atual impasse, atendendo aos riscos que daí podem resultar para o setor financeiro como um todo. “Não pode demorar muito mais tempo. O sistema financeiro e qualquer instituição do sistema financeiro necessita de estabilidade. Este ruído é muito negativo. É muito negativo para a Caixa e é muito negativo para o setor bancário no seu conjunto”, afirma o presidente da APB.

Confiança numa solução para o Novo banco até final do ano

Outro dos temas debatidos na entrevista ao Público e à Rádio Renascença foi a situação em torno da venda do Novo Banco. Faria de Oliveira mostra-se confiante que será possível encontrar uma solução para o banco que resultou da resolução do BES ainda até ao final do ano. “Tenho a convicção de que até ao final do ano poderemos ter notícias no sentido de ver este problema solucionado, pelo menos uma negociação que permita chegar a um resultado positivo”, afirma Faria de Oliveira.

O presidente da APB salienta ainda que o importante é que o futuro acionista seja “uma entidade o mais credível possível, de maneira a reforçar o sistema bancário português”.

Os fundos de investimento Apollo e Centerbridge, Lone Star e o banco China Minsheng apresentaram a 4 de novembro novas ofertas vinculativas de compra do Novo Banco. Já o BCP informou o Banco de Portugal que se mantém disponível para continuara a avaliar o dossiê, enquanto o BPI ter-se-á afastado do processo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faria de Oliveira: “Este ruído é muito negativo para a Caixa e para o sector”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião