Renzi em risco: italianos preparam-se para votar “Não” no referendo

  • Marta Santos Silva
  • 18 Novembro 2016

O referendo que vai decidir não só uma reforma constitucional em Itália mas também o futuro do Governo italiano pode não correr bem ao primeiro-ministro: sondagens dão vitória ao Não.

Matteo Renzi está a apostar as fichas todas no referendo italiano que se avizinha no dia 4 de dezembro, mas a fé pode sair-lhe furada. O primeiro-ministro, que prometeu que não ia permanecer no poder se o referendo para a reforma constitucional chumbasse, está agora a ser confrontado com sondagens que dão vitória ao “Não”.

A empresa de sondagens Ixé tem os números mais recentes esta sexta-feira: 37% dos italianos tencionam votar Sim ao referendo, mas 42% favorecem o Não. O resto vai depender dos que ainda se descrevem como indecisos, que são 21% dos inquiridos. É um resultado que se coaduna com a maioria das sondagens anteriores, que mostram o Não à frente e a ganhar terreno.

São números preocupantes para um primeiro-ministro que prometeu abandonar o cargo se o referendo, que apoiou desde o primeiro minuto, não for aprovado pelos italianos. Matteo Renzi enfrenta uma concorrência dura na sua campanha pelo Sim: um grupo de partidos populistas, incluindo o Forza Italia de Silvio Berlusconi, o Movimento Cinco Estrelas e os nacionalistas da Lega Nord, tem estado a fazer uma intensa apologia do Não, e inclusive já foram acusados de recorrer a notícias falsas para o fazer.

Mas o que decide o referendo? Se for aprovado, vai mudar a constituição italiana e reformar os poderes do parlamento de duas câmaras, com o senado a perder alguns dos seus poderes para a câmara de deputados, e tornando mais difícil a queda do governo.

Os apoiantes do referendo defendem que a mudança vai simplificar o processo democrático e a implementação de leis, assim como trazer estabilidade política, enquanto alguns dos seus críticos acreditam que o referendo vai criar um estado mais autoritário e uma maior concentração de poderes.

Um Não é uma má notícia para o primeiro-ministro Matteo Renzi, que prometeu sair do poder sem sequer liderar um governo interino de transição até às próximas eleições. Caberia assim ao presidente, Sergio Mattarella, escolher o primeiro-ministro interino.

“Não” nas sondagens, mas “Sim” entre os CEOs

O maior apoio ao referendo de Renzi são os diretores-executivos de empresas italianas, concluiu uma sondagem da Bloomberg que falou com 42 das maiores empresas em Itália. A vasta maioria dos inquiridos — 98% — respondeu que tinha intenção de votar “Sim”.

“A escolha é entre a mudança e a inovação de um lado e a imobilidade e a conservação do outro”, afirmou o CEO da CIR, Rodolfo de Benedetti, “por isso é normal que os empresários, que estão a pedir reformas estruturais há décadas, sejam a favor“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renzi em risco: italianos preparam-se para votar “Não” no referendo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião