Tesla acelera para o mercado da energia

  • Marta Santos Silva
  • 18 Novembro 2016

A fabricante de automóveis elétricos adquiriu a empresa de instalação de painéis solares SolarCity num negócio que vale 2 mil milhões de dólares.

A Tesla deixa de ser apenas uma fabricante de automóveis para entrar no mercado das energias renováveis ao adquirir a SolarCity, uma empresa de instalação de painéis solares, num negócio que se estima valer cerca de 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros).

A aquisição foi aprovada com 85% dos votos dos acionistas, apesar de ter sido inicialmente controversa por tanto a SolarCity como a Tesla terem um histórico de dar prejuízo. Com a aprovação, a empresa de automóveis elétricos que é a criação de Elon Musk avança para se tornar numa loja com todos os recursos para quem se quiser tornar independente dos combustíveis fósseis.

“Estamos a tentar criar um produto integrado”, explicou Elon Musk, maior acionista da Tesla e da SolarCity, assim como fundador do Paypal e da empresa aeroespacial SpaceX, numa reunião com os acionistas esta quinta-feira, citada pela Bloomberg. “Vamos fazer um telhado solar integrado com uma Powerwall [bateria doméstica da Tesla para fornecer energia às casas] e com um carro elétrico, e é só entrar numa loja da Tesla, dizer que sim, e acontece“.

O novo telhado solar da SolarCity foi apresentado durante o período de campanha pela fusão das empresas, em que Musk introduziu os telhados nas casas do cenário da série Donas de Casa Desesperadas. Musk afirma que o telhado solar da SolarCity vai ter o mesmo preço que instalar um telhado normal, e que espera ter já um grande volume de instalações em 2015.

No terceiro trimestre de 2016 a Tesla revelou ter dado lucro pela primeira vez desde a sua criação. Já a SolarCity deu prejuízo em seis dos últimos oito trimestres. A SolarCity tem ainda uma grande dívida, que Elon Musk já disse ia ser absorvida pela Tesla.

“Embora seja muito improvável, pagá-la-ei pessoalmente, se tiver de ser”, escreveu no Twitter. “As dívidas devem ser pagas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesla acelera para o mercado da energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião