EUA: Carros elétricos e híbridos vão ter de fazer barulho

A partir de setembro de 2019, os automóveis elétricos e híbridos terão de, artificialmente, fazer barulho enquanto circulam a menos de 30 km/h. Medida visa garantir a segurança dos peões.

Nos Estados Unidos da América, por motivos de segurança, vai ser obrigatório que os carros elétricos e híbridos façam barulho. As autoridades norte-americanas aprovaram legislação que vai obrigar as fabricantes a incorporarem mecanismos nos automóveis para que emitam ruído enquanto circulam a baixa velocidade.

De acordo com o site The Verge, os automóveis com mais de 4,5 toneladas terão de, artificialmente, produzir ruído até aos 30 quilómetros por hora. O objetivo é permitir que os peões se apercebam mais facilmente da presença do carro e esse limite é explicado com o facto de, a partir de uma certa velocidade, os pneus e o som do vento já “produzem um alerta suficientemente audível para os peões”.

“Todos dependemos dos nossos sentidos para nos alertarem de possíveis perigos”, disse Anthony Foxx, secretário norte-americano dos transportes. “Com mais, e mais silenciosos, automóveis híbridos e elétricos nas estradas, a capacidade de os peões ouvirem e verem os carros torna-se um fator importante para reduzir o risco de possíveis acidentes e melhorar a segurança”, acrescentou num comunicado citado pelo mesmo site.

No entanto, a lei protegerá, sobretudo, pessoas cegas, que dependem da audição para detetarem perigos. Responsáveis de várias instituições de defesa dos direitos dos invisuais já se mostraram satisfeitos com a nova regulação. As fabricantes de automóveis têm até 1 de setembro de 2019 para cumprirem a lei agora aprovada.

Mas não será fácil. A regulação não especifica o tipo de ruído que os automóveis terão de emitir, nem como terão de o fazer. As próprias marcas têm-se debatido contra o facto de os carros elétricos serem demasiado silenciosos, procurando formas de simular o ronco típico dos motores de combustão. Não por causa da segurança, mas porque o ruído do motor é um atributo largamente apreciado pelos amantes de automóveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA: Carros elétricos e híbridos vão ter de fazer barulho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião