Toyota quer produzir carros elétricos de elevada autonomia a partir de 2020

A Toyota Motors está a planear produzir veículos elétricos com elevada autonomia em grande escala em 2020. A meta é criar um carro capaz de percorrer mais de 300 quilómetros com uma única carga.

A Toyota Motor está a planear produzir veículos elétricos com elevada autonomia em grande escala. Os carros chegariam ao mercado em 2020 nomeadamente no Japão, avançou hoje o diário japonês Nikkei, numa tentativa de fazer coincidir o lançamento com a realização dos Jogos Olímpicos de verão. A Califórnia é outro dos mercados em vista tendo em conta que os fabricantes sã obrigados a vender uma percentagem definida de carros com emissão zero.

Esta seria uma mudança drástica na estratégia da marca campeã de vendas a nível mundial, que até aqui tem apostado em veículos elétricos para cobrir curtas distâncias — as tradicionais viagens de casa para o trabalho tendo em conta o elevado preço das baterias elétricas e o tempo que demora a carrega-las. Ao adicionar veículos elétricos com elevada autonomia, o fabricante nipónico está a mudar a agulha seguindo os os passos de rivais como a Volkswagen.

A estratégia da Toyota para encontrar uma alternativa ao petróleo tem sido carros híbridos que combinam combustíveis fósseis com baterias recarregáveis ou veículos movidos a hidrogénio, mas depois do escândalo da manipulação dos dados de emissões poluentes em vários modelos diesel optou por mudar o plano. Agora, a marca japonesa pretende entrar no mercado dos veículos elétricos com um modelo capaz de percorrer mais de 300 quilómetros com uma única carga. E espera que, em 2025, os veículos elétricos representem 25% das suas vendas totais.

O Nikkei, sem citar fontes, avança que a Toyota vai criar uma equipa, até 2017, dedicada ao desenvolvimento de carros elétricos. Nos planos da marca está a eventual utilização de uma plataforma já existente, tal como a do híbrido Prius ou do Toyota Corolla.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Toyota quer produzir carros elétricos de elevada autonomia a partir de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião