Terminal do Barreiro desperta interesse de chineses, dinamarqueses e americanos

  • ECO
  • 21 Novembro 2016

A ministra do Mar referiu que o terminal portuário do Barreiro vai avançar. O projeto desperta interesse de chineses, dinamarqueses e americanos.

O novo terminal portuário do Barreiro vai avançar. A garantia é dada por Ana Paula Vitorino, Ministra do Mar, em entrevista ao Jornal de Negócios. E há vários interessados no projeto, desde americanos a dinamarqueses, até chineses. E também operadores nacionais.

Para a ministra do Mar são necessárias duas condições para que o terminal seja uma realidade: a viabilidade do ponto de vista ambiental, mas também a consulta do mercado. E já existem “várias nacionalidades”, de entre as quais se destacam os chineses, os dinamarqueses e os americanos, interessados no terminal, bem como operadores nacionais.

O plano é, no entanto, menos ambicioso que o inicial. “O terminal não tem nada a ver com o que foi anunciado há três ou quatro anos, um terminal de águas profundas no porto de Lisboa. Não existem condições para um terminal de águas profundas, será um terminal de contentores que terá a sua utilidade em termos económicos e logísticos“, referiu Ana Paula Vitorino.

Com a construção do terminal do Barreiro, o porto de Setúbal não deixa de ter um “papel importante”. “Um dos investimentos que vai ser feito é precisamente aumentar a profundidade do canal de acesso e da bacia de rotação para que possam ir navios maiores a Setúbal e assim Setúbal possa satisfazer uma tendência crescente de movimentação de carga em todos os nossos portos”, acrescenta a ministra.

Ainda na entrevista, a ministra falou dos objetivos para o crescimento dos contentores: “200% em 10 anos”. O plano para os portos está “em execução”, e o investimento será de 2,5 mil milhões de euros, dos quais dois mil milhões serão do privado.

A concorrência espanhola não é problema e a ministra refere que “eles é que devem estar preocupados com a concorrência portuguesa“. “Há 10 anos, quando apresentei as orientações estratégicas para o setor marítimo-portuário e disse que o crescimento dos contentores deveria ser 70%, vi alguns sorrisos na sala. Cresceram 180%. E agora ponho como meta o crescimento de 200% no setor dos contentores no prazo de 10 anos”, explica a ministra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Terminal do Barreiro desperta interesse de chineses, dinamarqueses e americanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião