Carris na Câmara de Lisboa? “Quem vai pagar?”

O deputado comunista João Ferreira colocou um post no Facebook onde critica a “municipalização” da Carris e a forma como Medina conduziu o processo.

Foi esta manhã que Fernando Medina e António Costa, o atual e o anterior presidente da Câmara de Lisboa assinaram o memorando da passagem de gestão da rodoviária Carris para a Câmara Municipal de Lisboa.

A operação está a ser criticada da direita à esquerda. Já esta manhã, o PCP considerava “inaceitável que os vereadores e os deputados municipais tenham tido conhecimento deste memorando apenas pelo convite para a cerimónia de assinatura”.


Os comunistas criticam a forma e o conteúdo do memorando: “é ao Governo que cabe assegurar uma Carris pública, de qualidade, ao serviço dos trabalhadores e da população da cidade e da região de Lisboa”. E acrescentam que a “municipalização” tem sido “o primeiro passo para a concessão dos transportes a privados”.

No Facebook, o deputado João Ferreira vai mais longe, questionando os números da operação. Diz o também vereador da Câmara (João Ferreira foi o candidato da CDU às autárquicas de 2013) que os “sinais não são tranquilizadores”.

“A Câmara havia já difundido amplamente que inscrevera no orçamento para 2017 uma rubrica de 15 milhões de euros, tendo em vista a passagem da Carris para a sua responsabilidade. Para termos uma noção de escala, refira-se que os custos de exploração da empresa em 2014 (último ano com contas disponíveis) foram superiores a 100 milhões de euros. Já ficamos a saber pela voz do Presidente da Câmara que (assim as coisas dependam da sua ação) não se espera a resolução dos problemas dos transportes públicos na cidade no horizonte de uma década. Agora impõe-se a pergunta: e quem os vai pagar?”.

Esta manhã, Fernando Medina explicou como pretende pagar o transporte público da cidade: “tomámos já a decisão de alocar a receita do estacionamento, alocar as receitas das multas, alocar as receitas do imposto de circulação, e alocaremos as receitas que forem necessárias para desenvolvermos a nossa estratégia para o transporte público da cidade, sempre com um pressuposto: as empresas não voltarão às dívida históricas do passado, mas as empresas também não voltarão à situação crónica de subfinanciamento que fez deteriorar a situação”.

Na operação de “municipalização” da Carris, o Estado fica com a dívida da Carris de 700 milhões de euros. Para António Costa, “o Estado não faz nenhum favor, porque mantém-se responsável pelo que já é responsável, que é a dívida que criou”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carris na Câmara de Lisboa? “Quem vai pagar?”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião