Câmara de Lisboa espera arrecadar 11 milhões de euros com taxa turística este ano

  • Lusa
  • 27 Outubro 2016

A autarquia diz que em novembro “vai haver um ‘boom’” na receita com a taxa turística em resultado do Web Summit.

A Câmara de Lisboa informou hoje que espera arrecadar este ano 11 milhões de euros, com a Taxa Municipal Turística sobre as dormidas na cidade, adiantando que, até agosto, a receita angariada foi de cerca de oito milhões de euros.

Os dados foram divulgados pelo vereador das Finanças da autarquia, João Paulo Saraiva, num encontro esta tarde com jornalistas, nos Paços do Concelho, após a reunião privada em que se aprovou o orçamento municipal para 2017.

Aprovada em 2014, a Taxa Municipal Turística começou a ser aplicada em janeiro passado sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

Segundo dados enviados à agência Lusa, a cobrança entre janeiro e julho rendeu à Câmara Municipal sete milhões de euros, valor que se equipara à receita prevista para todo o ano.

No orçamento para este ano, a autarquia apontava uma estimativa de receita de 15,7 milhões de euros, sendo metade do valor respeitante às dormidas. O restante deveria ser conseguido na aplicação da taxa nas chegadas por via aérea e marítima, mas ainda não foi anunciado como.

Hoje, João Paulo Saraiva explicou que a previsão inicial de receita foi feita “sem histórico”, razão pela qual foi feito um ajustamento de cerca de sete milhões para 11 milhões de euros, isto contando só com as dormidas.

Em novembro, “vai haver um ‘boom’” na receita, disse o autarca, relacionando-o com o evento de tecnologia que se realiza na cidade de 7 a 10 do próximo mês, o Web Summit.

Para 2017, o município também foi “bastante moderado na previsão de receita”, que se continua a fixar nos 15,7 milhões, referiu João Paulo Saraiva.

Quanto à questão das chegadas, o responsável disse que o município está “quase a dar notícias sobre isso”.

“Continuo a dizer que a taxa está em vigor, [mas] estamos a perceber a diferença técnica de fazer a aplicação nos modelos convencionais”, precisou.

Das reuniões que a autarquia tem tido com o Governo e com os operadores do porto e do aeroporto de Lisboa, ainda não foi possível chegar a um “ponto comunicável”, admitiu o autarca, referindo ter “esperança que seja até ao final do ano”.

De acordo com João Paulo Saraiva, “o maior problema é no aeroporto, devido à forma como funciona”.

“Há múltiplas companhias” aéreas, assinalou, garantindo que, “certamente, não vai ser adotado um modelo de portagem”, porque isso “prejudicaria as pessoas”.

Questionado se a taxa de um euro por chegadas à capital vai ser aplicada diretamente nos bilhetes, João Paulo Saraiva respondeu: “Vamos ver”.

O orçamento municipal da autarquia para 2017, de 775,1 milhões de euros, contou com os votos contra da oposição (PSD, CDS-PP e PCP) e votos favoráveis da maioria socialista, que inclui os Cidadãos por Lisboa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa espera arrecadar 11 milhões de euros com taxa turística este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião