Donald Trump convida Nigel Farage para embaixador britânico nos EUA

  • Ana Luísa Alves
  • 22 Novembro 2016

O futuro presidente norte-americano recomenda Nigel Farage paa embaixador britânico nos EUA. Theresa May, primeira-ministra britânica, já fez saber que não concorda com esta ideia.

Nigel Farage, político britânico, já veio dizer que se sente “honrado” com o convite de Trump para se tornar o próximo embaixador Britânico nos EUA, mas em Downing Street, residência da primeira-ministra, já foi dito que “não há férias”.

Num tweet, que o Telegraph designou como surpreendente, Trump disse aos milhões de seguidores que tem que muita gente gostaria de ver Farage como embaixador britânico nos EUA.

Em resposta, Farage disse à Press Association sentir-se honrado e que já se tinha encontrado com o presidente eleito e que fará de tudo para “tornar positiva a relação entre os EUA e Reino Unido. Theresa May já veio dizer, no entanto, que já existe “um excelente embaixador para os EUA”.

Trump parece estar a quebrar algumas regras protocolares, porque não é normal um presidente sugerir embaixadores de outros países.

Farage cultivou uma relação próxima com Trump, chegou a fazer campanha por ele em agosto, no estado do Mississipi, e foi o primeiro político estrangeiro a visitar o futuro presidente dos EUA, ainda que o resto do mundo estivesse a avaliar as implicações da vitória de Trump.

O político do partido Independente inglês disse que cumprimentou Trump “como um velho amigo” e sugeriu que podia ser o intermediário entre ele e Theresa May, ajudando a estabilizar a relação entre os dois.

A primeira-ministra britânica não partilhou desta ideia e disse que Farage não seria a “terceira pessoa” na relação com os EUA e acrescentou que o parlamento já tem “canais de comunicação estabilizados” com o governo norte-americano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Donald Trump convida Nigel Farage para embaixador britânico nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião