Governo faz reembolso de dois mil milhões ao FMI

O Governo avançou esta terça-feira com um reembolso antecipado ao FMI. Ricardo Mourinho Félix afirmou que essa operação representa 10% do total do montante em dívida.

O Governo fez esta manhã mais um reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Abateu dois mil milhões de euros ao valor em dívida ao Fundo, o equivalente a mais de 10% do montante total devido (que ultrapassa os 18,8 mil milhões de euros). Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado do Tesouro e Finanças, explicou que esta operação permitirá poupar cerca de 80 milhões de euros em juros.

“Não tem qualquer sentido acompanhar a evolução da dívida numa base mensal”, disse o secretário de Estado, em declarações aos jornalistas, à margem da conferência anual da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC). “Agora teremos uma redução da dívida pública. É mais útil acompanhar a evolução ano a ano”, referiu.

Os últimos dados do Banco de Portugal mostram que o endividamento das administrações públicas entre janeiro e setembro foi mais baixo do que no período homólogo, mas isso não foi suficiente para evitar que a dívida pública totalizasse 133,1% do PIB em setembro, o valor mais alto de sempre.

A operação anunciada hoje vem melhorar estes números. “O valor deste pagamento totaliza cerca de 2.068 milhões de euros e foi realizado em duas tranches, com data-valor de 21 e 22 de novembro, representando 11% do empréstimo remanescente do FMI a Portugal (equivalente a cerca de 18.853 milhões de euros)”, detalha o Ministério das Finanças, em comunicado enviado às redações.

Até à data, e segundo o Ministério das Finanças, Portugal amortizou antecipadamente 42,6% do empréstimo total inicial do FMI, concedido em 2011, de 29 mil milhões de euros.

“Os reembolsos agora antecipados correspondem às amortizações de capital que originalmente eram devidas entre setembro de 2018 e fevereiro de 2019, permitindo reduzir as necessidades de financiamento da República Portuguesa nesses anos”, refere o gabinete de Mário Centeno.

Contas feitas, o país poupou 41 milhões de euros em juros com estes pagamentos antecipados. “Para este cálculo, assumiu-se a comparação entre o custo médio de financiamento observado este ano e o custo implícito nas tranches agora pagas”, acrescenta o comunicado.

Já considerando as taxas de juro atuais, que rondam os 4%, a poupança com o pagamento antecipado destas duas tranches seria de 80 milhões de euros, calcula Ricardo Mourinho Félix.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h06, com comunicado do Ministério das Finanças e declarações de Ricardo Mourinho Félix)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo faz reembolso de dois mil milhões ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião