“Malparado condiciona bastante a capacidade de resposta dos bancos face aos desafios”

Carlos Costa alerta que o malparado é um risco para o setor, mas também para a economia. E aponta mais desafios para a banca.

“A questão dos NPL [non-performing loans, ou crédito malparado] é muito importante. Não está em causa a insolvência do sistema financeiro, mas sim a capacidade de dar crédito à economia por causa do capital que está ali parado. Isto condiciona bastante a capacidade de resposta dos bancos face aos desafios”.

A preocupação com esta questão foi frisada por Carlos Costa na cerimónia de abertura da conferência anual da ASFAC. Entre os principais desafios salientados pelo Governador do Banco de Portugal encontra-se a digitalização da banca, que segundo Carlos Costa vai “exigir um esforço em termos de capital” devido ao impacto que daí resultará sobre o negócio bancário.

O governador do banco central português identifica ainda entre os principais desafios que o setor financeiro defronta, a questão da regulação que “tende a ser mais exigente”, bem como a necessidade de os bancos “reduzirem a dimensão física dos recursos humanos”. “Os bancos estão sobredimensionados e o novo modelo de negócio não se compadece”, diz a esse propósito Carlos Costa.

O governador do regulador acrescenta que a revolução digital é um risco no duplo sentido, porque por um lado “obriga os bancos a absorvê-la e obriga ainda a enfrentar atores (fintech) a que não estavam habituados e que vāo aparecer como concorrentes“. “Ganha quem absorver primeiro e tirar partido dos seus ativos”, diz Carlos Costa.

Em relação aos desafios do setor financeiro, o governador diz que o “passado tem de ser absorvido e reparado” e que o futuro “implica mais exigências em termos de capital” num contexto marcado pelo confronto com as novas tecnologias. E remata ainda em relação ao setor financeiro que “há futuro, mas não é fácil”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Malparado condiciona bastante a capacidade de resposta dos bancos face aos desafios”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião