Sporting aumenta capital, mas assegura controle da SAD

São 18 milhões de euros a mais para o capital da SAD do Sporting. Apesar do aumento de capital, o clube continua a ter a maior fatia do capital social e, por isso, a controlar a sociedade.

No mesmo dia em que Cristiano Ronaldo voltou a Alvalade, o Sporting fez um aumento de capital de 18 milhões de euros com a entrada de novos investidores. Esta operação não compromete o domínio da maioria do capital da SAD gestora. A participação passa de 64% para os 50,4% correspondendo a 42,8 milhões de euros de 85 milhões de euros da totalidade do capital social da Sporting SAD.

“A entrada dos novos investidores de 18 milhões de euros será feita por aumento de capital. Assim haverá uma redução das participações percentuais dos atuais acionistas que, mantendo o mesmo valor absoluto de um capital social maior, veem as suas participações percentuais reduzirem-se“, pode ler-se no comunicado de imprensa enviado pelo Sporting.

Além do aumento de capital, o Sporting anunciou a conversão dos Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) em ações. “Após a conversão final das VMOCs [Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis em ações], e considerando as restantes operações já aprovadas e contempladas na reestruturação financeira acordada com os bancos, o Sporting deterá 50,1% [da SAD], que corresponde a 137,8 milhões de euros de 275 milhões de euros“, explica o clube português.

Já a participação de 20 milhões de euros do empresário angolano Álvaro Sobrinho, através da Holdimo, sofre também uma baixa percentual dos 29,9% para os 23,5%. Sobrinho é o dono da Newshold, acionista do grupo Cofina.

O clube assegura que tem “um acordo com os novos investidores que lhe permite encontrar um parceiro com vista a potenciar o negócio e a projeção da Sporting SAD, e que substitua os novos investidores numa situação que seja vantajosa para o Grupo Sporting”.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sporting aumenta capital, mas assegura controle da SAD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião