Brexit. Há como voltar atrás?

  • Ana Luísa Alves
  • 25 Novembro 2016

Cinco meses depois da votação que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, o ex-primeiro-ministro Tony Blair diz que ainda é possível voltar atrás.

Quem votou para ficar na União Europeia, ainda tem hipótese de ver a sua vontade satisfeita? O ex-primeiro ministro Tony Blair disse esta manhã ao semanário News Statesman que a saída da União Europeia pode não acontecer se os eleitores decidirem que o medo de abandonar fala mais alto do que os benefícios que esta saída possa trazer.

Há cinco meses, no referendo do Reino Unido para o divórcio da União Europeia o “sim” ganhou. No entanto, Tony Blair comparou o Brexit à “venda de uma casa sem se ter visto aquela para onde se vai”.

“Isto ainda pode ser evitado se os ingleses assim o quiserem”, disse Tony Blair ao semanário News Statesman, citado pela agência Reuters. “Não digo que fiquemos na União Europeia, mas podíamos. Até sabermos o que significa sair como podemos saber se vale a pena?”, acrescentou o ex-primeiro-ministro, que desempenhou funções entre 1997 e 2007.

O resultado do Brexit apanhou muitos CEOs, investidores e o setor bancário de surpresa e a libra registou a maior queda de sempre num dia face ao dólar. A instabilidade financeira é a maior que se vive desde a Segunda Guerra Mundial, e já levou alguns líderes europeus a afirmar que o Reino Unido devia repensar este divórcio.

Segundo a agência Reuters, há sondagens que mostrado que a vontade para a permanência na União Europeia tem aumentado e que alguns dos que votaram “sim” já se arrependeram. No entanto, a primeira-ministra Theresa May sempre afirmou que “o Brexit significa Brexit” e que vai levar a cabo as conversações formais para a saída no fim de março.

“Ela é uma pessoa muito sensível, mas está a entregar o Brexit, e tem de o fazer. De outro modo vai perder o apoio dos meios de comunicação da direita, e abrir mais uma fenda no Partido Conservador”, defendeu Tony Blair ade propósito da posição de Theresa May.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit. Há como voltar atrás?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião