PSI-20 não escapa aos receios sobre Itália

  • Rita Atalaia
  • 28 Novembro 2016

Os receios sobre a banca italiana pressionaram os mercados europeus. E o PSI-20 não foi exceção. O BCP reagiu à queda dos pares europeus, caindo 2%. A Galp também não respondeu à subida do petróleo.

A tensão em Itália está a ter impacto na bolsa portuguesa. O setor financeiro liderou as perdas na Europa. E esta descida contagiou o PSI-20, que encerrou no vermelho. Para além da queda do BCP, a petrolífera Galp Energia não reagiu à recuperação da cotação do petróleo. Os investidores aguardam pela reunião da OPEP, na quarta-feira, na qual poderá, ou não, haver acordo para reduzir a produção de “ouro negro”.

O referendo em Itália está a criar dúvidas sobre a banca italiana. E estas dúvidas contagiaram Lisboa. O PSI-20 desceu 0,8% para 4.426,51 pontos, pressionado pelo setor bancário. O BCP acompanhou os pares europeus, caindo 1,7% para 1,18 euros. Oito bancos do problemático sistema financeiro italiano correm o risco de falência caso o primeiro-ministro Matteo Renzi seja derrotado no referendo constitucional que está agendado para o próximo dia 4 de dezembro.

A energia também agravou as perdas da praça lisboeta. A Galp Energia caiu 1,5% para 12,45 euros, mesmo depois de os preços do petróleo terem registado uma recuperação. O mercado está a reagir positivamente às notícias de que o Iraque prometeu cooperar com o cartel no sentido de alcançar um acordo para cortar a produção. O Brent, negociado em Londres, dispara 2,3% para 49,37 dólares por barril, cada vez mais próximo da fasquia dos 50 dólares.

Entre os outros pesos pesados, a EDP cedeu 0,3% para 2,71 euros e a subsidiária EDP Renováveis recuou 0,7% para 6,01 euros.

"Temos mais e mais incertezas políticas e económicas que precisam de ser resolvidas. As pessoas estão a ficar preocupadas em relação ao impacto” que a ausência de um Governo em Itália pode ter nas necessidades de financiamento dos bancos italianos.”

Kevin Lilley

Old Mutual Global Investors

Destaque negativo também para as papeleiras, que estão a corrigir os ganhos das últimas sessões. A Altri e a Semapa fecharam em baixa de 1,8% e de 2,4%, respetivamente, depois de uma semana positiva por causa da exposição benéfica ao dólar. Entretanto, o CaixaBI cortou na sexta-feira passada a avaliação da Altri em 20% por considerar que os preços do papel só vão recuperar em 2018.

“O mercado está nervoso numa altura em que a liquidez é fraca”, diz Kevin Lilley, da Old Mutual Global Investors, em Londres, à Bloomberg. “Temos mais e mais incertezas políticas e económicas que precisam de ser resolvidas. As pessoas estão a ficar preocupadas em relação ao impacto” que a ausência de um Governo em Itália pode ter nas necessidades de financiamento dos bancos italianos, acrescenta o analista. Estas dúvidas contagiaram as principais praças europeias, pressionadas pelo setor bancário, que recuou mais de 2%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI-20 não escapa aos receios sobre Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião