As escolhas de Trump valem mais do que dez países

  • Juliana Nogueira Santos
  • 29 Novembro 2016

Trump está a rodear-se dos mais ricos e a soma das suas fortunas não deixa dúvidas: esta supera o PIB de dez países.

“Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”, já dizia o provérbio. Donald Trump não quer abandonar as suas origens, nem na passagem para a Casa Branca, e tem-se feito rodear das mais distintas personalidades. Contudo, existe algo que estas têm em comum: a conta bem recheada.

O Quartz divulgou uma lista de países cujo Produto Interno Bruto é menor do que a soma das fortunas dos nomes escolhidos pelo Presidente eleito para a sua equipa, com dez nações a demonstrarem desempenhos bem mais baixos do que a potencial Administração de Trump. Esta, por enquanto, vê as suas fortunas avaliadas em 35 mil milhões de dólares.

pibpaises-01E quem faz parte deste grupo de milionários? A fortuna começa nos seus três filhos, que já fazem parte da sua equipa de transição, e poderão ser consultores do pai na Casa Branca, bem como o seu genro Jared Kushner, investidor em várias áreas, incluindo os media — comprou em 2006 o The New York Observer e foi responsável pelo fecho da publicação física e pela migração para o exclusivo online — e que também foi indicado para a posição de conselheiro sénior.

Para a secretaria da Educação, a escolha parece já estar feita com o nome de Betsy DeVos a ser dado como quase definitivo. DeVos tem atuado há largos anos como ativista no setor, mas o potencial milionário vem da parte do marido, sendo que o seu sogro é cofundador da empresa de marketing multinível Amway Corporation. A fortuna da família DeVos está avaliada em 5,1 mil milhões.

Outro nome que contribui para a módica quantia de 35 mil milhões de dólares é o do presumível secretário do Comércio, Wilbur Ross. O investidor, conhecido por resgatar empresas da bancarrota e garantir a sua restruturação tem a sua fortuna avaliada em 2,9 mil milhões de dólares.

Para o Tesouro, e como o ECO já tinha avançado, os rumores apontam para Steven Mnuchin, antigo administrador do Goldman Sachs e investidor. Este passou por vários negócios ao longo da sua vida, incluindo a produção de sucessos de bilheteira de Hollywood, mas neste momento gere o seu próprio hedge fund, o Dune Capital Management LP. A sua fortuna não está estimada, contudo podemos prever que a sua conta não estará, de todo, em más condições.

Uma das promessas fortes de Trump durante a campanha foi a de lutar contra a corrupção e “drenar o pântano” de Wall Street. Os nomes escolhidos até agora não trazem boas previsões, com a maior parte das personalidades a virem do interior do “pântano”. Resta-nos esperar para ver.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As escolhas de Trump valem mais do que dez países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião